O que iniciou como um momento de lazer se tornou um empreendimento especial em Urussanga. A jovem Ana Beatriz Magagnin viu na própria natureza uma forma de fazer arte: arranjo de flores secas. Tudo começou na pandemia da Covid-19, quando retornou para a cidade depois de se formar na faculdade. “Me formei em Direito e não quis atuar na área, e eu sabia que eu teria que empreender em alguma coisa, mas não tinha nada definido”, conta. “Eu comecei por hobby mesmo a montar arranjos, mas com flores orgânicas, e ali me despertou o interesse em trabalhar com flores para decoração ou para presente, fazer algo bem caprichado, bem diferente, que não tinha na região”, completa.

Foi aí que Ana começou a sentir um novo caminho no hobby. “Eu pensei em como eu ia fazer com o estoque, porque a flor fresca tem uma durabilidade muito baixa. E aí eu lembrei de uma floricultura de Itajaí, que é a minha grande inspiração, que já trabalhava com flor seca”, comenta. Essa foi a solução tanto de Ana, que queria manter o estoque, tanto para os clientes, já que as flores secas, se bem cuidadas, possuem vários anos de duração. Atualmente, Ana possui o Ateliê Catarina Botânica, nome de sua avó materna. “Hoje no ateliê eu trabalho com dois segmentos: que é o de decoração, que são os arranjos, e o de presente, que são as box”, explica.

O assunto foi abordado em entrevista no programa Ponto de Encontro com Ana. Entenda mais sobre o empreendimento:

 

Ana esclarece que atua mais na área da montagem dos arranjos e das caixas de presente. “Não sou eu que seco as flores, eu compro tudo de produtores de São Paulo, de uma cidade chamada de Holambra”, conta. “Faço a compra das flores, das folhagens, compro os vasos e também tenho alguns fornecedores, algumas marcas de vasos. Eu monto os arranjos e vendo”, esclarece. Ana Beatriz realiza arranjos dos mais variados tipos, desde pequenos vasos até os maiores. “É todo um trabalho que envolve desde a escolha da flor, do vaso, da composição, são vários pequenos detalhes”, ressalta.

Os arranjos de folhas secas são uma ótima opção, já que substituem as artificiais, além de não requerer todo o trabalho necessário de cuidado, caso fossem flores ainda frescas. As flores secas duram de cinco a dez anos, dependendo de cada tipo de folha e de flor. Segundo Ana, alguns cuidados mínimos são necessários, como não deixar o arranjo em exposição solar, já que pode fazer com que as flores sequem ainda mais, e evitar umidade para que não mofem.

O Ateliê Catarina Botânica atende clientes de Urussanga, Criciúma e região. Além disso, Ana já enviou arranjos para clientes de outras cidades do estado, com projetos já para atender todo o Brasil. Saiba mais informações sobre o trabalho acessando o Instagram @catarinabotanica.