A rotina de trabalho de muitas pessoas foi afetada neste ano de 2020. A da cantora e compositora Ana Lélia também. Acostumada a se reunir com músicos de várias partes do mundo para criar suas canções, neste ano ela precisou se adaptar à rotina virtual.

“Em tempos de distanciamento social, criamos o estreitamento emocional. Colocamos a emoção à frente dos desafios para produzirmos e trabalharmos com disposição e fé de que em breve sairemos dessa”, disse a artista mineira residente de Brasília (DF), ao fazer um balanço de como foi trabalhar em 2020.

O impacto da pandemia no mundo da música esteve na pauta do Ponto de Encontro. Nesta quarta-feira (30), Jair de Ávila conversou com a cantora Ana Lélia. Confira:

 

“Para o natal fizemos duas músicas: Heal the World, em que eu e meu produtor Jonathas Pingo estivemos em Brasília e o Davi e Mariana Campolongo em São Paulo. E depois Imagine, com o grupo Elas Cantam Clássicos da Daniela Firme, Carol Melo, Ana Clara Hayley, Nathália Cavalcante e eu, com a Central Única de Favelas do Distrito Federal. Apesar de morarmos todos em Brasília, cada um fez do seu canto”, destacou.

“Acredito que, mesmo com a falta do encontro, da magia que acontece na troca, acho que foi muito especial fazer esses dois trabalhos à distância. A música trouxe o aconchego que a gente precisava, principalmente pelas mensagens que as duas canções trazem: um mundo de paz e de cura”, afirmou.

As duas canções estão disponíveis no YouTube: Imagine e Heal The World.

Saiba mais

Além das produções com outros artistas, Ana Lélia também está à frente de vários projetos e parcerias musicais. Sua vasta experiência inclui duas canções para telenovelas brasileiras, sendo uma interpretação para Record e uma autoral para TV Globo. A artista, que hoje mora em Brasília, também viveu por anos na Inglaterra, onde trabalhou como professora e estudou na Universidade de King’s College, em Londres.

A cantora está presente nas principais redes sociais: Spotify, Instagram e YouTube.