Os servidores públicos de Urussanga alegam que prefeitura protocolou o projeto de reajuste do salário na Câmara de Vereadores sem que houvesse uma nova rodada de negociações com o setor. De acordo com a presidente da coordenação do Sindicato dos Servidores de Urussanga, Suzana Darela Souza, a nova rodada de negociações é necessária porque o percentual de reajuste proposto pela prefeitura foi rejeitada por unanimidade na assembleia de servidores. Suzana explicou que o mês de maio é a data base para as negociações de reajuste salarial. O setor está há dois anos sem reajuste, sendo que a defasagem salarial da classe fecha em 20,05%, e a prefeitura deu a contraposta de 15,61%, que não foi aceita pelos servidores.

“Esse percentual já está defasado porque o período que a gente está reivindicando o INPC fecha num percentual de 20,05%, então o servidor já sai perdendo sim. Se tu botar e fazer as contas na ponta do lápis, esses 5% se torna bem maior e isso o servidor, as pessoas, toda a população também sabe quando vai num mercado, numa farmácia, o que sente no bolso”, comentou Suzana. A presidente participou de entrevista no Comando Marconi e falou mais sobre a situação. Confira:

 

Suzana falou que é a primeira vez que acontece do projeto ser encaminhado ao Legislativo sem as negociações em todos os anos que está à frente do sindicato. “Todas as vezes se houve rejeição de pauta, houve nova rodada de negociação. Houve sim novas conversas, novas melhorias. Um cede de um lado, o outro cede a do outro. Agora, isso nunca havia acontecido”, comentou. Por conta disso, os servidores irão realizar uma nova assembleia nesta segunda-feira, dia 6, às 19 horas, na Câmara de Vereadores. Suzana convidou para que os servidores participem, além de vereadores e outras pessoas ligadas à administração.

A Rádio Marconi irá abordar mais sobre o assunto na segunda-feira, dia 6, em entrevista com a prefeitura de Urussanga. Acompanhe o programa Comando Marconi a partir das 7 horas.

Karine Possamai Della / Da Redação