A prefeitura de Urussanga irá lacrar os esgotos não regularizados das casas às margens do Rio Caeté, no bairro Da Estação, a partir desta segunda-feira, dia 28. A ação é por conta de uma decisão judicial que solicita ao município para que faça a lacração dos esgotos que são despejados diretamente no rio. A chefe de gabinete da prefeitura, Andresa Baldassar dos Santos, explicou que desde 2015 há uma Ação Pública do Ministério Público sobre o assunto. Desde então a administração municipal, junto com a Vigilância Sanitária e a Fundação do Meio Ambiente, notifica os moradores da região que não possuem o sistema de esgoto regularizado.

Em outubro do ano passado, o Ministério Público notificou novamente a prefeitura, sendo que na última semana foi determinado que sejam lacrados os esgotos dos moradores que não regularizaram. A determinação é por conta de um acordo entre o Ministério Público e a prefeitura, já que caso não seja realizada a lacração, a administração terá que pagar uma multa. Existem 19 casas que cercam o Rio Caeté e que terão o sistema fechado já a partir da próxima semana. Andresa ainda ressalta que em outubro de 2021 foi realizada uma reunião com os moradores sobre o assunto. Dos 19 moradores, apenas três compareceram, sendo que desses apenas um concluiu a regularização.

A prefeitura disponibiliza aos moradores uma cartilha que informa como deve ser realizado o sistema de esgoto individual, que deve conter a fossa com o filtro e sumidouro. Conforme a diretora da Diretoria de Planejamento, Mariela Fabris Moraes, a compra do material, instalação e custo de mão-de-obra, caso a pessoa opte por um pedreiro, é de aproximadamente R$ 1 mil. De acordo com o coordenador da Vigilância Sanitária, Filipe Cataneo, os moradores justificaram que não fizeram o sistema por conta da falta de condições financeiras. No entanto, a prefeitura informa as pessoas da necessidade há mais de cinco anos.

O morador que ainda não regularizou o sistema e que quer iniciar o processo, ainda pode procurar o Departamento de Planejamento da prefeitura, nesta sexta-feira (25), para se informar e iniciar a regularização. O programa Comando Marconi entrevistou a Andressa, Mariela, Filipe e a fiscal da vigilância Monike Mondardo, sobre o assunto. Entenda mais:

Parte 01

 

Parte 02

 

Andresa ressaltou que outros moradores que moram às margens de outros rios do município também podem ser notificados futuramente. Um deles é do rio que corta o centro da cidade. Porém, nessas outras situações há um prazo maior já que elas não são tão antigas quanto a sentença do Rio Caeté, no bairro Da Estação.

O assunto foi destaque no Comando Marconi já em outubro. Leia mais abaixo:

Reunião discute adequações do esgoto para casas às margens do Rio Caeté, em Urussanga

Da Redação / Karine Possamai Della