O lipedema é uma doença crônica que acomete o tecido conjuntivo frouxo, que é o tecido de sustentação do organismo. O problema acomete principalmente as mulheres, aparecendo normalmente nas pernas. De acordo com a doutora Lorraine de Souza Atala, representante da Comissão de Doenças Linfáticas da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), o lipedema causa alguns sintomas: “O paciente geralmente sente muito cansaço, muito peso nas pernas. Parece que está carregando sempre um peso maior nas pernas, como se essa perna nem fosse da pessoa. Tem um aparecimento frequente de roxos, de hematomas, independente da pessoa bater ou não”, explica.

Além disso, uma das principais características do lipedema são as modulações nas pernas. Conforme a especialista, elas se parecem com celulites. O diagnóstico é clínico e pode ser feito com um profissional que conhece a doença, geralmente um cirurgião vascular, plástico ou dermatologista. Através de um exame de ultrassom é possível verificar se há uma camada maior de gordura. Na densitometria de corpo inteiro também se pode saber se a pessoa possui o problema. “É muito comum que o paciente tenha a perna muito volumosa e o tronco mais fino, então se tem essa desproporção importante”, destaca. 

Um dos primeiros tratamentos que podem ser realizados é seguir uma dieta anti-inflamatória. Além da alimentação, é importante a prática de atividades físicas, acompanhadas por um profissional da área, pois pessoas com o problema têm frouxidão ligamentar, o que pode ocasionar lesões caso não haja acompanhamento adequado. Um fator importante é que a dieta não melhora o sintoma do lipedema, e sim faz com que ele não evolua. “Em geral, o volume dessas pernas não muda, esse aspecto de celulite ainda permanece”, frisa.

De acordo com Lorraine, a obesidade pode piorar o quadro de lipedema. “Combater a obesidade através da dieta anti-inflamatória é um exercício fundamental”, destaca. Além disso, as mulheres devem ficar atentas às mudanças no corpo quando se começa a menstruar, na gravidez e na menopausa. O uso de hormônios, como o anticoncepcional, pode ser prejudicial para a mulher com lipedema. Conforme a doutora, é importante que o paciente use meias compressivas prescritas por um médico. O assunto foi destaque em entrevista no Ponto de Encontro com a especialista Lorraine. Confira:

 

A especialista explica que o volume das pernas é tratado somente com cirurgia plástica. O procedimento é uma lipoaspiração, só que de uma forma diferente por conta de algumas particularidades. Em média, são dois meses de recuperação da cirurgia, já que envolve drenagens linfáticas. Lorraine ainda ressalta que normalmente este tipo de procedimento é feito por um cirurgião plástico.