Mais de dez dias depois de ter conseguido liberdade, o vereador afastado de Urussanga, Elson Roberto Ramos, o Beto Cabeludo, pagou a fiança e deixou a prisão nessa segunda-feira, dia 8. A informação foi confirmada pelo próprio advogado do Beto, doutor Marcel Lodetti Fábris. Beto estava em prisão preventiva desde o dia 16 de abril, quando foi preso após a segunda fase da Operação Terra Nostra. O ex-vereador estava recluso na Penitenciária Sul, em Criciúma.

A decisão sobre Beto foi divulgada no dia 27 de junho, junto com a do também vereador afastado Thiago Mutini e do então prefeito Luis Gustavo Cancellier. Beto e Thiago foram liberados da prisão preventiva mediante uso de tornozeleira eletrônica e pagamento de fiança, além do afastamento das funções públicas. Thiago foi solto primeiro após ter pago uma fiança de R$ 14 mil já na primeira semana após a decisão. A fiança de Beto foi no valor de R$ 56 mil, por isso demorou mais dias para ser liberado, já que a família estava em busca do recurso.

Para tentar sair da prisão, Beto ofereceu um veículo, do ano de 2011, para pagar a fiança. Conforme a decisão, datada de 28 de junho, a desembargadora Cinthia Beatriz da Silva Bittencourt Schaefer indeferiu o pedido. Isso porque o veículo, um Audi, estava com pagamento da documentação obrigatória em aberto nos anos de 2022 e 2023, e de 2024 com o pagamento apenas da primeira parcela. Na decisão, a desembargadora ainda destacou que Beto tem um ótimo poder financeiro, ressaltando que o vereador afastado possui dez veículos registrados em seu nome, entre eles duas Hilux, uma Frontier e um Citroen ds5. A desembargadora também afirmou que Beto possui renumeração ativa na Câmara de Vereadores. No entanto, de acordo com a própria Câmara de Vereadores, tanto Beto como Thiago já não estavam recebendo seus salários desde o dia da prisão preventiva.