O agravamento das deficiências infraestruturais e logísticas de Santa Catarina está determinando a fuga de investimentos das agroindústrias. Esse fato deveria acender o sinal de alerta para o Governo na avaliação do presidente do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne), José Antonio Ribas Júnior. Ao fazer uma avaliação do ano recém-encerrado e formular previsões para 2024 no âmbito do agronegócio – e em especial na esfera das agroindústrias da proteína animal – o dirigente manifestou preocupação com a deteriorização da infraestrutura.

O diretor Executivo do Sindicarne, Jorge Luiz de Lima, também destaca a mesma preocupação. “Nós estamos alertando aí há bastante tempo o governo, não só a atual gestão como as gestões anteriores, sobre as questões de infraestrutura do estado de Santa Catarina, o quanto elas impactam na nossa produção, na nossa produtividade e no escoamento dela para os mercados que nós atendemos”, salienta. Segundo Jorge, o estado catarinense atende cadeias de aves e suínos em mais de 150 países.

O assunto foi destaque em entrevista no programa Comando Marconi com o diretor Jorge. Ouça mais na íntegra e entenda:

 

A preocupação do Sindicarne e do empresariado é que as deficiências logísticas estão afetando a competitividade do agronegócio catarinense, especialmente no que se refere às condições das rodovias, portos, aeroportos e ferrovias. “A gente enxerga um futuro que, no máximo, levará Santa Catarina a manter o tamanho que tem e não mais observar crescimentos de produção, porque não consegue ter mais competitividade que seja atrativa para novos investimentos”, comenta o presidente José.

Com informações da Comunicação Sindicarne