O interesse pela corrida começou em 2019, ainda que como uma forma de brincadeira. Passados cinco anos, o urussanguense Luan Maffioletti já conquistou três medalhas na Rio do Rastro Marathon. A última foi realizada no início desse mês, no qual Luan conquistou o primeiro lugar em sua categoria. “A questão é: a serra não se torna mais fácil, você tem que se tornar mais forte. Então, desde 2019 eu venho fazendo várias provas na serra, venho trabalhando com isso, pensando em ótimos resultados ali, e, graças a Deus, esse ano a gente focou, treinou e conseguimos executar o que estava previsto. O resultado foi apenas um ciclo de cinco anos que a gente vem focando e treinando para isso”, destacou o atleta em entrevista.

Conforme Luan, a Rio do Rastro Marathon possui três percursos: de 12, 25 e 42 quilômetros. Há uma opção de 67 quilômetros, no qual o atleta corre 25 no sábado e os 42 no domingo. “Com a soma dos dois resultados, tu gera uma classificação com o 67, onde tu diz que seria o desafio do guardião”, explica. Foi nessa modalidade que Luan conquistou o primeiro lugar. “Eu comecei do zero, quando eu comecei a correr eu não corria um quilômetro. Então, todo mundo consegue começar, claro, tudo vai ter o seu tempo, vai ter o teu treinamento, o teu esforço, a tua dedicação, e a tua evolução é o que tu se dedica, então, todos podem começar a correr, como eu comecei”, destaca Luan.

O atleta ainda comenta que somente correu por quatro anos. Agora, há um ano e meio, iniciou a sua dedicação ao triathlon, que abrange natação, corrida e ciclismo. O programa Ponto de Encontro abordou mais sobre a história de Luan em entrevista. Ouça na íntegra:

 

Sobre o Rio do Rastro Marathon disputado há algumas semanas, Luan esclarece que optou por uma estratégia específica. Isso porque ele escolheu fazer uma prova mais forte no sábado, como forma de ganhar tempo. Já no domingo, optou por ter mais cautela. “Até com medo, porque eu já corria há muito tempo, mas eu nunca tinha feito uma maratona, foi minha primeira maratona. Então, eu já tinha feito alguns treinos de 42 quilômetros, mas só treinos, em provas oficiais nenhuma. Então, eu saí com um pouco de cautela, tipo, vou até com receito de câimbras, dores, desgaste físico, e, conforme foi evoluindo na prova, eu fui vendo que eu estava me sentindo bem, o corpo estava respondendo bem e fui evoluindo”, comenta. Luan também complementa que, até os 41 quilômetros de prova, ainda não estava na primeira posição. “Foi uma prova que eu fui gradativamente crescendo durante quilômetro por quilômetro”, afirma.

O próximo desafio de Luan envolve uma prova de triathlon em Nova Veneza. “A prova funciona assim: ela sai de Nova Veneza, tu anda dois quilômetros na barragem do Rio São Bento, dentro da barragem, tu pedala 87 quilômetros até o mirante da Serra e tu corre 22 quilômetros lá em cima no Parque Eólico”, explica o atleta. “Essa prova eu já fiz ano passado e fiquei em terceiro geral”, comenta. “A meta esse ano é tentar superar. Na verdade, eu sempre tenho comigo que é superar o meu próprio tempo, o resultado é consequência. Eu vou pensando em melhorar o que eu fiz ano passado”, salienta Luan.