Notícias infundadas sobre vacinação estão prejudicando as campanhas contra a poliomielite e a influenza. Muitos pais têm deixado de vacinar suas crianças por medo de que a vacina contra a Covid-19 seja a mesma da gripe. Diversos municípios estão enfrentando esse problema. Em Urussanga, das 881 crianças que deveriam receber as gotinhas da vacina contra a poliomielite, apenas 331 compareceram ao posto de saúde. “Estamos preocupados com as informações falsas sobre as vacinas contra a pólio e a gripe. Muitos pais não estão levando seus filhos para vacinar, e o resultado disso é a superlotação dos leitos dos hospitais da região”, alerta Sara Pavei, coordenadora da imunização regional saúde de Criciúma que diz que na região apenas 53,70% foram imunizadas contra influenza e 45% contra pólio. O assunto foi abordado em entrevista, entenda:

 

Ednea Cristina Acácio, técnica de enfermagem da Vigilância Epidemiológica de Urussanga, reforça que as vacinas são seguras e essenciais. “Os pais e responsáveis pelas crianças que ainda não foram vacinadas têm até a próxima sexta-feira, dia 14 de junho, para administrar as gotinhas da campanha contra a poliomielite”, destaca a técnica. Já a campanha da gripe segue aberta para todos os públicos. A vacina do Covid-19 entrou no calendário como vacina de rotina em janeiro de 2024 para menores de cinco anos, sendo obrigatória para esta faixa etária.

Colaboração: Vanessa Matiola / Assessoria de Imprensa