O Dia Mundial da Síndrome de Down é lembrado nesta segunda-feira, dia 21. A Síndrome de Down é uma condição genética de origem cromossômica numérica, na qual a pessoa possui um cromossomo a mais, que é o 21, totalizando 47 cromossomos em suas células ao invés de 46, como a maioria da população. A data foi instituída em 2006 pela organização Down Syndrome International (DSI), do Reino Unido, com o objetivo de celebrar a vida das pessoas com a síndrome e garantir que elas tenham as mesmas liberdades e oportunidades. No Brasil, existem cerca de 300 mil pessoas com Síndrome de Down, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A terapeuta ocupacional da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Urussanga, Giuzi Neto Souza, explica que existem características físicas em uma pessoa com a Síndrome de Down. Um pescoço um pouco mais curto, dobras na área cervical pelo excesso de pele, maior flexibilidade articular, dedos dos pés e das mãos menores, e outras características são observadas nas pessoas. A terapeuta Giuzi participou do programa Ponto de Encontro e falou sobre a importância do Dia Mundial da Síndrome de Down. Ouça na íntegra:

Parte 01

 

Parte 02

 

“É importante que a criança, desde que ela nasce, tenha estímulos adequados para que essa condição desse cromossomo a mais que causa limitações sejam superados durante o desenvolvimento através de estímulos com uma equipe multidisciplinar”, frisa Giuzi. Os estímulos são feitos por meio da fisioterapia, fonoaudiologia, psicologia, com prática de exercícios físicos e de outras áreas. Por isso que instituições, como a Apae, são tão importantes. A Apae oferece profissionais capacitados nas áreas para atender a todos que possuem a síndrome e outras necessidades.

Em Urussanga, dos 90 alunos atendidos pela Apae, 11 possuem Síndrome de Down. A mais nova é uma criança de 11 meses, e o mais velho é um senhor de 57 anos de idade. A data também serve para lembrar sobre a importância da inclusão e da conscientização. Por isso, todos os dias a Apae orienta os pais, as escolas e a comunidade sobre a inclusão, para que as barreiras dentro da própria escola e no mercado de trabalho sejam cada vez menores.

Apae de Urussanga ajuda na prevenção de deficiências