O período é de férias, mas muitos pais já se organizam para a compra de materiais escolares. Mesmo faltando pouco mais de um mês para o retorno das aulas, a recomendação é já ir fazendo uma pesquisa dos preços dos produtos. De acordo com a especialista em Direito do Consumidor, Karoline Calegari, a internet pode facilitar na hora de fazer uma média dos preços dos materiais escolares. “A pesquisa de preço sempre tem se mostrado muito eficaz ao longo dos anos, independentemente dos itens a serem comprados. Isso porque, além de pesquisar o preço, o consumidor vai conseguir pesquisar também qual aquele estabelecimento que vai oferecer as melhores condições de pagamento”, destaca a advogada.

O assunto foi destaque em entrevista no programa Comando Marconi com a advogada Karoline. Ouça mais na íntegra e entenda:

 

Sobre a lista de materiais solicitada pelas escolas, Karoline ressalta que as instituições não podem exigir marcas ou produtos específicos, assim como não podem fazer com que os pais comprem em determinada loja. “É uma livre escolha do consumidor, ele tem esse poder de escolher o estabelecimento ou o item que vai trazer o melhor custo benefício”, comenta. “Dentro desse mesmo contexto, é importante lembrar que aqueles produtos que têm marcas licenciadas ou personagens famosos sempre serão com o valor mais caro para o consumidor. Muitas vezes um outro produto que não tenha esse tipo de embalagem característica, mas que tenha o mesmo fim, vai ter um valor às vezes até metade do preço daquele que está em voga no momento”, complementa.