O cigarro eletrônico é o foco da campanha do Instituto Nacional do Câncer (INCA) deste ano, com o slogan “Posso ter gosto de fruta, mas o cigarro eletrônico faz mal à saúde”, em alusão ao Dia Mundial sem Tabaco, celebrado em 31 de maio. O uso desse dispositivo tem gerado preocupações na área da saúde. A enfermeira responsável pelo Programa Nacional de Controle do Tabagismo em Urussanga, Amanda Rinaldi, alerta que o cigarro eletrônico pode contribuir para o surgimento de câncer, além de doenças respiratórias e cardiovasculares. “Os cigarros eletrônicos se popularizaram pela ideia errônea de que são uma alternativa menos prejudicial ao cigarro convencional. Nenhum cigarro está isento de riscos”, enfatiza a enfermeira.

O tema foi abordado em entrevista no programa Comando Marconi com o médico psiquiatra do Caps de Urussanga, doutor Gutemberg Siqueira. Ouça mais:

 

As unidades de saúde oferecem auxílio para quem deseja parar de fumar. Basta conversar na recepção para agendar um horário, inicialmente com a equipe de enfermagem. Se necessário, médicos e psicólogos também estarão disponíveis para ajudar. A Secretaria de Saúde disponibiliza adesivos de nicotina, goma de nicotina e medicação oral, dependendo do grau de dependência do paciente.

Colaboração: Vanessa Matiola / Assessoria de Imprensa