A tuberculose é uma doença bacteriana, transmissível pelas vias áreas, como espirros, tosses e fala. A médica pneumologista Margareth Dalcolmo, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, ressalta que quanto maior o convívio com alguém doente, maior a possibilidade de contágio. “Cada paciente diagnosticado com tuberculose gera, em média, quatro contatos a serem examinados, seja criança, adulto, todos que convivem com a pessoa”, destaca.

Conforme a especialista, a tuberculose no Brasil continua sendo relacionada a condições de vida, como confinamento, desnutrição e saneamento básico, em um paradigma mais social. No entanto, há um outro fator a ser analisado, que é a imunidade celular. “Ela está relacionada a pessoas que estejam em uso de medicação ou qualquer fármaco que seja imunodepressor”, comenta. O programa Ponto de Encontro abordou o assunto com mais detalhes em entrevista com a pneumologista Margareth. Ouça mais:

 

A doutora reforça ainda que há muitos casos graves no país de tuberculose por razões simples, como a falta de profilaxia adequada. Profilaxia significa as medidas utilizadas na prevenção de doenças. “A tuberculose é uma doença que tem uma profilaxia em algumas situações, então desde a vacina BCG, que é dada em recém-nascidos. O Brasil teve durante muito tempo uma cobertura de praticamente 100%, agora ela caiu e está por volta dos 70%, isso é inaceitável”, comenta a especialista. Margareth também completa que a outra maneira de se prevenir é que as pessoas que tiveram contato com doentes ou que usam medicamento imunossupressores façam testes de detecção da doença.

No geral, a tuberculose afeta pessoas entre 20 e 40 anos, concentrando-se mais em homens. “Os homens, em geral, estão mais expostos, saem mais, enfim, bebem. E existe uma relação direta entre imunidade e alcoolismo. Então, o alcoolismo é um grande fator de risco para desenvolvimento de tuberculose. Outro fator de risco é o tabagismo”, explica. O diagnóstico é realizado através de um exame de DNA que identifica a bactéria. O tratamento é realizado através de remédios, no qual o paciente toma uma vez ao dia durante seis meses.

SBPT

A Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) é uma entidade médica sem fins lucrativos, filiada à Associação Médica Brasileira (AMB), que reúne os profissionais da saúde respiratória para difundir ciência com responsabilidade social e lutar pela qualificação médica.

A SBPT desenvolve projetos em parceria com a AMB, Ministério da Saúde, Conselho Federal de Medicina (CFM), sociedades estaduais de Pneumologia e associações estrangeiras de Medicina Respiratória, como ALAT, ATS, ERS, ACCP, APRS, SPP e SEPAR.