A chegada do inverno alerta para as ocorrências de doenças respiratórias, principalmente em crianças pequenas. Cuidados já muito conhecidos, como a higienização das mãos, deixar ambientes arejados, evitar aglomeração, usar máscaras quando estiver com sintomas gripais, e se manter hidratado seguem também para as crianças. O pneumologista pediátrico, doutor André Rampinelli Mangili, explica que para uma pessoa desenvolver algum sintoma gripal ela precisa ter contato com o vírus. No entanto, é necessário alguns cuidados com a criança em dias mais frios, já que há uma mudança drástica de temperatura.

O especialista ressalta que é recomendado usar um aquecedor ou deixar a criança em ambientes mais quentes para o seu conforto. “Quando existe essa mudança de temperatura, existe, por consequência, por parte do organismo, um maior gasto energético para manter a temperatura corporal, e isso, se for mantido por um longo tempo, claro que acaba enfraquecendo um pouco a imunidade do organismo, não só de crianças, mas de adultos também”, explica Mangili. No momento do banho, é recomendado que a criança fique em água morna, mas não tão quente já que retira a oleosidade natural da pele.

Além disso, é fundamental que as crianças se mantenham hidratadas também em dias mais frios. O pneumologista reforça que o xarope natural é a água, que deixa o organismo equilibrado, ajudando a evitar alguns problemas, como a tosse seca. Mangili participou de entrevista no programa Ponto de Encontro e explicou mais detalhes sobre o assunto. Ouça abaixo:

 

Conforme o especialista, o ambiente em que a criança está também é importante. É essencial que alguns fatores sejam evitados para que a criança não desenvolva alguns problemas respiratórios e tenha crises, como rinite e asma. Um deles é evitar cheiros fortes, como perfumes, produtos de limpeza e fumantes no ambiente. Além disso, a criança não pode ter contato com espaços com muita poeira ou com objetos que acumulem poeira com o tempo. O pneumologista pediátrico explica que quanto mais nova for a criança, maiores são os cuidados.

Outro fator fundamental é o cuidado com as visitas. O especialista frisa sobre a situação ainda mais caso a visita apresente sintomas gripais ou de resfriado. O recomendado é que os pais e responsáveis respeitem a saúde das crianças ao receber visitas de fora, principalmente se forem crianças recém nascidas ou de até um ano. O pneumologista alerta que o que pode ser sintomas comuns para um adulto, pode ser um caso mais grave para uma criança.

Confira também:

Problemas respiratórios aumentam com a chegada do inverno