O Tribunal do Júri da comarca de Sombrio, em sessão nesta quarta-feira, dia 8, condenou um homem por homicídio qualificado da ex-companheira, que estava grávida, a 45 anos de reclusão. O crime aconteceu em outubro de 2020, na cidade-sede da comarca. O casal estava separado há três meses e possuía duas filhas menores de idade.

Segundo a denúncia do Ministério Público, no dia anterior ao crime, o réu e seu irmão teriam locado um veículo da cidade de Francisco Beltrão, no estado de Paraná, onde residiam, e dirigiram-se até a cidade de Sombrio. Após encontrar a vítima, o acusado teria corrido até ela, sacado uma arma e disparado duas vezes contra o rosto da mulher, que estava grávida de 22 semanas de um filho do próprio réu. Os disparos atingiram a testa e a mandíbula esquerda e causaram o óbito da vítima, por traumatismo cranioencefálico, e também do feto, que não resistiu. O homem voltou ao veículo e fugiu, na companhia do irmão, sendo abordado na cidade de Itapema, onde foram presos pela Polícia Rodoviária Federal. Ele teria dispensado os estojos deflagrados no trajeto, que não foram mais encontrados.

​Na sessão de julgamento, presidida pelo juiz Stefan Moreno Schoenawa, titular da 2ª Vara comarca de Sombrio, o Conselho de Sentença reconheceu que o homicídio foi praticado por motivo torpe, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. Também reconheceram a prática dos crimes de aborto sem consentimento da gestante, fraude processual e porte ilegal de arma de fogo. O réu foi condenado a pena de 45 anos, sete meses e 29 dias de reclusão, em regime inicial fechado. Cabe recurso da decisão ao TJSC. O processo tramitou em segredo de justiça.​

Colaboração: Fernanda De Maman / Comunicação TJSC