Estar todo dia em um lugar diferente com pessoas diferentes. É assim que o engenheiro agrimensor Carlos Sorato define a profissão. Formado há quase 30 anos, Sorato explica que a área envolve a medição e divisão de propriedades, tanto rurais como urbanas. O especialista conta que a engenharia de agrimensura passou a ser ofertada nas universidades em 1975 para fins de reforma agrária. Até hoje, mesmo com o avanço da tecnologia, a profissão segue sendo de extrema importância.

Sorato conta que os profissionais da área estudam por cinco anos. “É trabalhar no mato com foice, motosserra, subindo e descendo o morro, chegando ao seu limite físico muitas vezes. Não é todo mundo que se adapta a isso, mas é uma profissão muito boa, muito boa mesmo”, afirma. O Dia do Engenheiro Agrimensor foi lembrado no último dia 4 de junho. O Ponto de Encontro abordou mais sobre a profissão em entrevista com Sorato. Ouça na íntegra:

 

Dentro da agrimensura, existem diversos ramos de atuação, sendo um deles o georreferenciamento. “Ele foi criado em 2001 por uma lei para acabar com os conflitos agrários que existiam no Brasil durante muitos anos. Muitas brigas se deram por conta de divisões de terra, demarcações. Então, o governo criou o georreferenciamento”, conta. “Você vai lá no campo, faz uma demarcação, faz, mede o terreno, coleta as coordenadas e envia para o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) para fazer a certificação. Todos os vizinhos vão ter que assinar a sua anuência, concordando com aquelas demarcações físicas”, explica. Com isso, quando todos os vizinhos fizerem o georreferenciamento, todas as medidas devem se encaixar.

A agrimensura também possui diversos termos técnicos, nos quais suas explicações ajudam a entender mais sobre como são as coisas. Um desses termos é a altimetria, que tem relação com o mar, que tem nível zero. Sorato comenta que a altimetria do Brasil inteiro tem como referência o Porto de Imbituba, em Santa Catarina, sendo o ponto zero. “Foi onde os profissionais cem anos atrás encontraram onde o mar menos oscilava”, esclarece. Com o marco zero, o ponto mais alto que existe em Urussanga é em Belvedere, no morro da antena da Rádio Marconi, estando em torno de 45 metros acima do nível do mar. Já o mais baixo na cidade é na comunidade de Águas Mornas, sendo 15 metros de altitude.

Ouça a entrevista com Sorato também no Spotify: