Os produtores rurais devem ficar atentos e manter a vacinação contra a raiva em suas criações em dia. Em Urussanga, uma onda de raiva animal foi registrada em 2019. Desde então, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) tem intensificado as campanhas de vacinação. No entanto, conforme José Henrique de Oliveira, da companhia, a Secretaria de Agricultura de Urussanga informou algumas mortes de bovinos no município. Segundo José, provavelmente esses casos não têm relação com a raiva, porém, é importante que os produtores se atentem às orientações necessárias.

Conforme o representante da Cidasc, das doenças de controle oficial, a raiva é uma que tem uma morte rápida. “Só que não é súbita assim, da noite para o dia, ela leva alguns momentos e que o produtor vai prestar atenção”, comenta. José Henrique explica que a raiva é transmitida pelo morcego que se alimenta do sangue. “O produtor rural vai perceber se aquele rebanho está sendo atacado, porque de manhã, os animais, ou um animal, ou dois, ou três, enfim, vão aparecer com mordidas, ataques de morcego na região do pescoço, na região do lombo, do membro anterior, e fica aquele sangue escorrendo, um pouco seco, é bem característico”, esclarece.

Caso o produtor perceba esse sinal, o primeiro passo é avisar a Cidasc. “A gente vai passar as orientações em caso de ataque de morcego. O ataque de morcego não significa que o animal vai adoecer, porque o morcego, se não tiver com o vírus, não vai transmitir”, frisa. “Se souber onde tem um abrigo de morcego na sua propriedade ou no entorno, vê que os animais estão saindo ali no final da tarde, notifique a Cidasc, porque a gente faz o monitoramento de abrigos também, para saber onde eles estão dormindo, só termos conhecimento de onde eles estão caso tenhamos que fazer algum tipo de monitoramento”, explica.

José ainda reforça que existem diferentes tipos de morcegos: um se alimenta de sangue e outro de insetos e frutas. O assunto foi destaque em entrevista no programa Comando Marconi. Ouça mais na íntegra:

 

O especialista destaca que a única forma de prevenção do controle da raiva é a vacinação. “Existe uma doença chamada carbúnculo, que não é de controle oficial, mas é endêmico aqui no nosso estado, em Urussanga, consequentemente, também é de controle através da vacina. Aproveite a dica que eu dou, aproveite o manejo da vacina da raiva e vacine o carbúnculo junto, porque é uma doença que, provavelmente, um desses casos que aconteceram foi carbúnculo, e ela dá uma morte súbita, mais súbita do que a raiva, porque a raiva leva alguns dias”, esclarece José Henrique.