Até então no cargo como chefe de gabinete, Andresa Baldessar assumiu recentemente a Secretaria de Administração de Urussanga. Em entrevista, Andresa explicou que a secretaria comanda o funcionamento da prefeitura, coordenando o setor pessoal, financeiro, o funcionamento e a administração. Segundo a secretária, ela já estava desempenhando essa função além da chefia de gabinete. “Eu já estava acumulando as duas funções, mas elas são incompatíveis porque no fim a demanda de atendimento é muito grande e a demanda com as questões da prefeitura é ainda maior. Então, a gente precisou dividir para que tivesse uma outra pessoa”, esclareceu.

Além disso, Andresa comentou que, na decisão judicial envolvendo o concurso público, a multa para descumprimento também prejudica o CPF do secretário de Administração, além do CPF do prefeito. Por esse motivo, algumas pessoas acabaram recusando o convite para assumir o cargo. “Eu confio muito no prefeito e a gente está trabalhando junto desde o primeiro dia para que essa decisão judicial seja cumprida. Então eu não tenho medo da multa porque a gente está trabalhando para que ela seja cumprida, então não vai haver penalidade”, afirmou. O assunto foi abordado em entrevista no programa Comando Marconi. Ouça mais:

Parte 01

 

Parte 02

 

Conforme Andresa, desde o primeiro dia em que a nova gestão assumiu a prefeitura, após a prisão preventiva do prefeito Luis Gustavo Cancellier, o foco tem sido a decisão judicial do Ministério Público de Santa Catarina sobre o concurso público. “A gente já teve três audiências no fórum tentando entender, flexibilizar onde fosse possível e tentar fazer com que a prefeitura funcione. Esse é o nosso foco principal. A decisão vai ser cumprida, mas o nosso foco é não prejudicar os serviços públicos. A gente tem uma secretária de Educação cobrando as salas de aulas que estão sem professor, a gente tem Unidade de Saúde sem médico, e antes se fazia o quê? Se procurava um médico e ali passava no RH, contratava, dois, três dias a pessoa estava trabalhando. Hoje isso não é mais possível. Desde o dia que a gente entrou, a gente já chamou os médicos, a gente chama, veio a negativa, no dia seguinte, portaria nova, chamando, chamando, chamando. O que a gente quer é cumprir, é preencher os espaços que estão vazios. E a gente tem que fazer isso hoje em razão do concurso público e isso está dando uma dificultada e uma atrasada que o serviço funcione de maneira plena. Mas é o nosso foco total essa questão e a gente está tentando solucionar”, comentou.