Em prisão domiciliar e uso de tornozeleira eletrônica desde o dia 24 de maio, o prefeito de Urussanga, Luis Gustavo Cancellier, ainda não apresentou exames médicos que comprovem sua precariedade de saúde. Isso porque, para a prisão preventiva ter sido convertida em domiciliar, a defesa alegou que Luis Gustavo apresentou indícios de grave problema de saúde. Recentemente, por meio de agravo, o Ministério Público de Santa Catarina havia contestado o verdadeiro estado de saúde de Cancellier, solicitando que o prefeito afastado retornasse ao presídio Santa Augusta.

Em um novo desdobramento no fim da tarde desta terça-feira, 4, ao apreciar o agravo, o desembargador Claudio Eduardo Regis De Figueiredo e Silva, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), decidiu manter, inicialmente, a prisão domiciliar de Cancellier. Contudo, a decisão judicial estabelece que a defesa do prefeito deve apresentar evidências que sustentem a alegação de sua saúde debilitada. A defesa tem até o fim desta semana para apresentar os exames.

Conforme o despacho, o agravo segue seu trâmite, e se não for apresentado comprovação da necessidade de cuidados médicos, o TJSC pode reconsiderar sua decisão, resultando no retorno de Cancellier ao presídio regional.

Mesmo afastado do cargo, Luis Gustavo Cancellier continua recebendo o salário de prefeito