Baleias, pinguins e leões-marinhos estão entre os principais animais caçados pelos povos que habitaram o litoral sul do Brasil entre 4,2 mil e mil anos atrás. É o que revela pesquisa inédita da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) que analisou vestígios de animais em sambaquis nos litorais do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul. O consumo de peixes e de moluscos pelas populações ancestrais já era bem documentado pela ciência, e a nova pesquisa ajuda a revelar a diversidade da dieta e da cultura desses grupos humanos. Os resultados estão publicados em artigo científico da edição do dia 13 de maio da revista “Anais da Academia Brasileira de Ciências”.

Sambaquis são construções humanas formadas de conchas marinhas, carvão, sedimentos e restos de animais. Comuns na costa Sul e Sudeste do Brasil, consistem no acúmulo de matéria orgânica em montes com alguns metros de altura. De origem tupi, o nome dessa estrutura vem da união das palavras tamba (concha) e ki (monte).

O objetivo da pesquisa foi investigar se os pescadores-coletores-caçadores caçavam animais vertebrados de quatro patas, como mamíferos, anfíbios, répteis e aves, durante o Holoceno – época geológica iniciada há cerca de 12 mil anos. O estudo analisou cerca de 4 mil vestígios dos chamados tetrápodes localizados em dez sítios zooarqueológicos e armazenados em museus de arqueologia da região.

Deste total, foram identificados 46 táxons, que são unidades de agrupamento biológico, sendo a maioria de animais marinhos, principalmente cetáceos e baleias. As espécies com maior presença foram os pinguins-de-Magalhães e as baleias-francas-austrais. Embora em menor quantidade, foram encontrados também tetrápodes terrestres, como a anta sul-americana.

Os sambaquis eram compostos por animais de diferentes ambientes como praias, mangues, pântanos e florestas. A variedade de vestígios demonstra ainda métodos oportunistas e estratégicos de caça e pesca, especialmente no caso de animais como os pinguins-de-Magalhães, originários da Patagônia, sul da Argentina, e que só aparecem na costa brasileira em alguns meses do ano, durante a migração de inverno, entre os meses de março e setembro.

Segundo o pesquisador da Ufes Augusto Mendes, autor do artigo, saber sobre os hábitos culturais dos povos que ocuparam o território brasileiro permite entender a biodiversidade da época. “Os vestígios de animais no sambaqui são resultados das práticas simbólicas e cotidianas dos sambaquieiros, como dieta e rituais funerários”, diz o pesquisador. Além do uso na alimentação, os animais caçados podiam ser matéria-prima na confecção de artefatos e ornamentos a partir dos ossos, por exemplo.

O autor explica também que esta é uma oportunidade de estudar os sambaquis e de conhecer a história dos povos originários. “Isso nos ajuda a compreender melhor a história do Brasil e colocá-la num ponto de partida bem antes de 1500”, avalia. O assunto foi abordado em entrevista com a pesquisadora Taissa Rodrigues no programa Ponto de Encontro. Confira mais:

 

Mendes destaca ainda que os dados sobre a interação dos humanos com esses animais são úteis para estratégias de conservação das espécies. Conhecer os padrões de ocupação dessas regiões ao longo do tempo e o impacto do comportamento humano sobre as espécies estudadas pode contribuir para proteger indivíduos que hoje estão em risco. Novos trabalhos podem contribuir com a ampliação da identificação de mamíferos, aves e anfíbios caçados pelas populações pré-colombianas a partir desta pesquisa, acredita o autor.

Com informações da Agência Bori