Urussanga, conhecida como a capital do Bom Vinho, está se preparando para mais uma Vindima Goethe, que é a colheita da uva. A fruta, assim como a bebida, representam um importante aspecto para o desenvolvimento do município, tanto na cultura como no turismo. Antes de chegar a degustação, a uva passa por vários processos ao longo do ano até a colheita e a fabricação do vinho. Em Urussanga, as uvas Goethe e a Niágara são as principais cultivadas na região.

O pesquisador da Epagri, Emilio Della Bruna, explica que a colheita da uva Goethe será realizada nas próximas semanas, quando se é celebrado as ações da Vindima Goethe nas principais vinícolas. Já a colheita da uva Niágara está em torno dos 50%. Sobre a data da realização da Vindima, evento tradicional no calendário turístico da cidade, Emilio esclarece que a equipe organizadora sempre faz uma consulta com os técnicos para saber qual será a época da colheita da uva, já que ela varia de acordo com o clima.

“Quando nós temos um clima no mês de agosto quente, antecipa a brotação e, consequentemente, antecipa a maturação”, comenta Della Bruna. Os meses de agosto, setembro e outubro foram de dias mais frios. “Nós tivemos um ano bastante frio, uma primavera fria, e até com pouco sol, e isso atrasa o processo de desenvolvimento das plantas, porque a planta para crescer precisa de calor e sol, porque o sol é a principal fonte de energia das plantas e como foi um ano bastante nublado, teve pouco sol, então a planta cresceu mais lentamente”, explica o especialista. A explicação não é dada somente ao cultivo da uva, mas sim também do milho, feijão, pêssego e outras culturas.

O processo de cultivo da uva, produção e fabricação de vinhos e a característica de cada tipo de bebida foram alguns dos assuntos abordados em entrevista com o engenheiro agrônomo Emilio. Ouça a entrevista completa realizada no programa Comando Marconi:

Parte 01

 

Parte 02

 

De acordo com Della Bruna, para se ter um bom vinho é necessário ter uma boa uva, mas nem sempre uma boa uva faz um bom vinho. “Para ter uma boa safra de uva nós precisamos ter um inverno com um frio razoável, porque se não tivermos bastante horas de frio, nós temos que induzir de maneira artificial a brotação da planta”, explica. Após a planta brotar, é necessário bastante calor e sol, assim como qualquer tipo de planta. Além disso, a umidade do solo também é importante. Na parte da maturação da uva, clima seco e com bastante sol irá gerar uma uva com bastante açúcar. Para um sabor mais tinto, é necessário dias quentes e noites frias. “Para as uvas tintas está excelente, porque nós temos sempre noites frias, noites quentes, então dá mais cor, mais coloração para ter um vinho mais tinto”, comenta Emilio.

Para a produção do vinho, um fator que pode prejudicar o sabor é no momento da colheita da uva. “Você tem que colher a uva sem machucar, porque você machucando, amassando a uva, ela vai pegar o ar, o oxigênio e vai oxidar. Então já começou um processo de degradação antes de começar a fermentar a uva”, ressalta. “Quanto mais fechado o ambiente de fermentação da uva, melhor o vinho você vai ter, porque você não vai ter contato com o oxigênio”, completa. Emilio ainda alerta que não se deve deixar o vinho em contato com o ar, porque ele vai oxidar e virar um vinagre. “Então para se fazer um bom vinho, resumindo, nós temos que ter uma boa uva, um processo limpo, higiênico e sem a presença de ar. Depois de uma série de formas de fazer, tecnologia, conservantes, equilíbrio de açúcar, mas são muitos detalhes”, fala.

Leia também:

Vindima Goethe e Festival Gastronômico Benedetta Cucina movimentam Urussanga nos próximos dias