O início de ano representa um marco na vida de muitas pessoas que traçam metas pessoais. Ir à academia, fazer uma dieta, concluir os estudos, viajar, aprender uma nova língua. Não importa o desejo e a meta, a maioria das pessoas começa o ano disposta a mudar. Só que, ao não conseguir atingir os objetivos, muitos se sentem frustrados e ficam deprimidos. Além disso, a melancolia que existe durante dezembro e janeiro, fim e início de ano, deixam as pessoas mais reflexivas sobre suas próprias vidas. Por isso, no primeiro mês do ano é promovida a campanha Janeiro Branco, com o objetivo de alertar sobre os cuidados com a saúde mental e emocional.

As psicólogas Deisy Parnof e Tatiane Sberse, da Unimed Chapecó, explicam que houve um aumento significativo nos casos de depressão e ansiedade, principalmente por conta da pandemia da Covid-19. Os sintomas atingem toda a população, desde crianças até os idosos, sendo necessário a discussão do tema. “Se a gente não tiver saúde mental, não tem saúde como um todo, não tem saúde física, porque tudo isso vai começar a influenciar, vai influenciar na vida pessoal, vai começar a influenciar na vida familiar, na vida profissional”, destacam.

As especialistas também ressaltam a importância da psicoterapia para o autoconhecimento. Até pouco tempo, fazer terapia era visto como um tabu pela sociedade. “Se tinha muito o entendimento de que era algo para loucos, para doentes. Então quanto mais se tem a oportunidade de falar sobre o assunto, mais vai se desmistificando isso”. O programa Ponto de Encontro abordou sobre o assunto em entrevista com as duas psicólogas. Ouça na íntegra:

 

Conforme as profissionais, muitas vezes um sentimento mal resolvido pode desencadear outros problemas, até mesmos físicos. “As pessoas fazem um monte de exames de imagem, de laboratório, exames clínicos, enfim, e não aparece nada, não tem nenhum diagnóstico físico, orgânico, fisiológico. E a gente recebe muito isso na clínica, de pessoas que fazem uma investigação gigantesca com exames e não descobre nada”, contam. “A gente vai olhando para isso, trabalhando, organizando, e no final das contas a gente descobre que é uma doença somática, o corpo responde as emoções, as emoções não expressas”, completam.

Existem sinais que indicam que a saúde mental e emocional da pessoa não está indo bem. Pensamento acelerado, preocupações constantes, cansaço mental e físico mesmo dormindo bem, insônia, falta ou excesso de apetite, inquietações, falta de prazer em fazer atividades em que antes gostava são alguns dos sintomas. “É sempre importante a gente avaliar como eu estou me sentindo nesse momento em relação a minha vida nos anos passados”, comentam.

Deisy e Tatiana escreveram um artigo sobre o assunto, destacando importantes pontos sobre os cuidados com a saúde mental. Confira na íntegra:

Um olhar para a vida

Deisy Parnof, Psicóloga Clínica CRP/12-09221 – Unimed Personal, e Tatiane Sberse, Psicóloga Clínica CRP/12-22938 – Medicina Preventiva Unimed Chapecó

Os últimos anos, além de oportunizar aprendizados e reflexões frente à vida, despertaram nas pessoas os mais variados sentimentos que geraram sofrimento, medos, incertezas, sensação de perda de controle, privação de contato social, assim como as inquietações. Percebemos, então, aumento significativo nos sintomas de ansiedade e depressão, principalmente naqueles que já tinham uma predisposição ao adoecimento psíquico ou alguma patologia, seguido de fragilidade psicológica na população em geral. A sensação relatada pelas pessoas é de que a vida que se tinha antes já não é mais a mesma.

Sendo assim, precisamos falar de ressignificar tais sentimentos vivenciados e transformá-los em um novo sentido, aceitando o fato de que não podemos controlar o futuro e nem alterar o passado, mas sim, nos responsabilizarmos por aquilo que é possível ser modificado e que compete a cada um de nós.

Ponderando neste novo sentido à própria vida, podemos nos preparar para a chegada de 2023 pensando na prevenção, na reorganização e na construção de novas formas de se relacionar consigo mesmo e com os outros, buscando a prevenção da saúde de forma integral, principalmente da saúde emocional, a qual está diretamente ligada ao equilíbrio das funções psíquicas que são responsáveis por controlar e gerenciar nossas emoções e que resultam em sentimentos de bem-estar. Precisamos, então, repensar nossos hábitos diários para desfrutarmos de uma vida mais saudável, tanto emocional quanto física, espiritual, sociofamiliar e profissional. Trazer à consciência aspectos da vida é um ótimo exercício para impulsionar mudanças que trarão sentido e estarão alinhadas com os valores pessoais, resultando em qualidade e propósito.

Para tanto é importante desenvolver o hábito do autocuidado e autovalorização, o qual envolve alimentação saudável, relações interpessoais saudáveis, momentos nos quais você possa estar em conexão consigo mesmo, que proporcionem prazer e bem-estar. Neste viés, a prática constante de exercícios físicos se faz efetiva, pois além de melhorar o condicionamento do corpo, melhora a autoestima, o autoconceito, a imagem corporal, as funções cognitivas, o senso de percepções. Colabora para produção de hormônios como serotonina, adrenalina e endorfina, responsáveis pela sensação de bem-estar, também melhora a qualidade de vida mental e emocional, contribuindo na diminuição dos níveis de cortisol, causadores da ansiedade e estresse de maneira geral e diminuição significativa nos sintomas depressivos.

Neste novo ano, temos a oportunidade de refletir sobre o que foi feito no passado e projetar o futuro, com novos desafios e aprendizados. Ser grato por tudo o que aconteceu e pensar que, a cada dia, devemos valorizar os momentos em família, filhos e, claro, sermos mais humanos.  Aliás, este tempo de qualidade proporciona educação emocional e fortalece os vínculos parentais, que por vezes se encontram fragilizados. Como diria o autor chamado Urie Bronfenbrenner “A família é o meio mais eficiente de tornar humanos os seres humanos”.

É compreensível que seja difícil construir isso de forma independente. Por isso, é importante buscar auxílio de profissionais qualificados para trilhar este caminho de organização, ressignificação, construção e fortalecimento.

Para finalizar queremos lhe propor esta menção de Shakespeare: “Sempre me sinto feliz, sabes por quê? Porque não espero nada de ninguém. Esperar sempre dói. Os problemas não são eternos, sempre têm solução. O único que não se resolve é a morte. A vida é curta, por isso, ame-a! Viva intensamente e recorde: Antes de falar… Escute! Antes de escrever… Pense! Antes de criticar… Examina-te! Antes de ferir… Sente! Antes de orar… Perdoe! Antes de gastar… Ganhe! Antes de render-te… Tente de novo! Antes de morrer… VIVA!”.