Os tijolos ecológicos são ideais para utilizar nas construções, principalmente de casas, porque garantem uma série de vantagens e facilidades, além de ser sustentável. Em Urussanga, a empresa Ecobloco é referência em toda a região, e está construindo um residencial usando os tijolos ecológicos no bairro Alphaville, em Cocal do Sul. O responsável pela fabricação do material, Adriano Medeiros, explica que o processo do tijolo ecológico se diferencia do tradicional por vários motivos. Um deles é a matéria-prima utilizada, que é o arenito.

O tijolo tradicional faz o uso da argila, sendo necessário cavar no fundo de rios, o que acaba agredindo ao meio ambiente. “No nosso tijolo não, a matéria-prima dele vem da superfície, então a agressão é mínima”, comenta. Adriano ainda esclarece que a empresa recebe o arenito na forma bruta, em torrões, no qual se é triturado para ficar na forma ideal para a fabricação. “O arenito tem uma composição de, aproximadamente, 70% de areia e 30% de argila, que é a composição exata para fazer um tijolo perfeito e resistente”, afirma.

Após o material ser triturado e peneirado, é colocado cimento, que vai dar liga para o tijolo, além de aditivos plastificantes e desmoldantes, que ajudam na confecção do tijolo. Todo o material passa por uma prensa hidráulica de mais de 30 toneladas de pressão. “É muita força e a matéria-prima é extremamente compactada ali dentro e não sobra espaço para imperfeições”, ressalta Medeiros. Depois de moldado, os tijolos secam naturalmente, sem fazer uso de estufas de secagem. O processo de cura é realizado usando água após passar alguns dias secando na sombra.

Adriano participou do programa Ponto de Encontro e explicou mais sobre o processo e os diferenciais do tijolo ecológico. Ouça:

 

A empresa preza pela sustentabilidade em todos os processos da fabricação, não só na matéria-prima utilizada. De acordo com Adriano, a produção dos tijolos não passa por fornos, no qual a empresa não possui emissão de gases poluentes. Além disso, a água utilizada para a cura dos tijolos são captadas através da água das chuvas, no qual a fábrica possui calhas que direcionam para o tanque utilizado.

Outra diferença entre o tijolo ecológico para o tradicional é o formato. Medeiros explica que o tijolo possui dois furos de nove centímetros de diâmetro, que acompanha a parece desde o chão até o teto. “E serve para muita coisa: por exemplo, toda a hidráulica da obra, toda a elétrica, encanamentos de calha, tudo passa direto por dentro desse furo do tijolo. Não precisa quebrar a parede para passar os cabos, ou canos, ou seja, só ali, tem praticidade”, explica.

Tijolo ecológico. Foto: reprodução

Para construir, é necessário utilizar uma argamassa polimérica, um produto que já vai pronto para a empresa. Cada balde desse tipo de argamassa, que possui 40 quilos, assenta mil tijolos. O produto é aplicado em uma espécie de saco de confeiteiro, no qual é usado nos tijolos. A prática também auxilia na função dos buracos dos tijolos, não prejudicando a sua funcionalidade.

Os tijolos ecológicos também são responsáveis por manter a temperatura do ambiente agradável. Conforme Adriano, no verão, a diferença chega a ser de 15°C a menos dentro do ambiente comparado à rua. O mesmo vale para o inverno, quando o material mantem o calor dentro de casa, não deixando o frio entrar. Além disso, os tijolos são impermeáveis, sendo contra umidade. Esse fator também contribui para evitar a proliferação de mofo.

Em Cocal do Sul, a Ecobloco está construindo um residencial com apartamentos de 78 metros quadrados e 94 metros quadrados, variando de dois a três dormitórios, sendo uma suíte cada. As obras têm previsão de serem entregues em 2024. Mais informações com a empresa nos telefones (48) 9 9926-7425 e (48) 9 9643-7757 ou no site (acesse aqui).

Residencial Ecobloco