O pequeno Pietro, de apenas 3 anos, possui uma anomalia vascular congênita na perna esquerda, e o tratamento necessário é realizado em São Paulo. A doença pode causar uma embolia pulmonar e trombose caso não seja tratada corretamente. A família de Pietro possui um plano de saúde, mas ele não cobre totalmente todas as despesas, como as consultas com os especialistas, viagens e hospedagem em outro estado. Os pais de Pietro são moradores do bairro Jardim Maristela, em Criciúma, e estão organizando um pedágio solidário, que acontecerá em Urussanga neste sábado, dia 3, com o objetivo de angariar fundos. A mãe de Pietro, Gisele de Jesus de Castro Farias, explicou mais sobre o assunto em entrevista no Ponto de Encontro. Ouça:

 

A mãe Gisele explicou que, quando Pietro nasceu, ele tinha uma pequena mancha na perna esquerda. Desde então, ele passou a ser acompanhando pelo pediatra e um angiologista. Com um ano e seis meses, a mancha acabou aumentando, sendo que os médicos o encaminharam para um especialista de Curitiba, no qual de lá foi encaminhado para outro especialista de São Paulo. “A princípio é o único no Brasil que faz na idade dele, por se tratar de uma criança menor de 10 anos”, contou Gisele. A mãe ainda falou que Pietro tem frequente formação de trombos, no qual usa um anticoagulante injetável todos os dias. “Mas mesmo assim ele continua tento essas formações de trombo, aí ele faz as embolizações para diminuir, porque ele sente muita dor, bastante dor mesmo, quando dá a dor aguda, mesmo com a medicação, não passa”, acrescentou.

O problema atinge a perna esquerda inteira até uma parte das costas, no qual é necessário o acompanhamento de toda uma equipe médica. Gisele explicou também que o plano de saúde de Pietro fez um acordo, já que o único médico que atende o caso é de outro estado. “Eles pagam a parte do médico e hospital, os demais custos somos nós que pagamos”, comentou. A família arca com as consultas, que são em média de R$ 700,00 cada médico, além da passagem e hospedagem. “Cada sessão a gente gasta, em torno, de R$ 15 mil. Esse 15 mil a gente nem contou com intercorrência, nada, é o 15 mil seco”, explicou. São dez sessões de tratamento, no qual envolve a embolização e procedimento quimioterápico invasivo. Pietro já realizou duas etapas, sendo que irá para a terceira no dia 14 de dezembro. Totalizando todos os procedimentos que são necessários, os custos somam em torno de R$ 150 mil.

Os interessados em ajudar como voluntários no pedágio solidário em Urussanga podem entrar em contato com a mãe Gisele no WhatsApp (48) 99173-2480. Doações em dinheiro podem ser realizadas através do Pix na chave (48) 99187-9867 ou através do Banco Pan na AG.:0001 / CONTA: 010366963-0 / Gisele J Castro Farias (Mãe) / CPF: 052.976.819-44.