Por conta do resultado das eleições presidências, comerciantes e outros setores de todo o país estão promovendo paralisações das atividades. Na região, as Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) de Criciúma, Içara e Urussanga emitiram comunicados sobre as ações. O presidente da CDL de Urussanga, Leonardo Felippe, ressaltou que a recomendação é que o trabalho siga normalmente, já que o trabalho é essencial para que a economia não pare. Leonardo também reforçou que os lojistas que quiserem podem se manifestar pacificamente, dependendo de cada comerciante a decisão de abrir suas lojas ou não. O assunto foi destaque em entrevista no programa Comando Marconi. Ouça:

 

Em Criciúma, o presidente da CDL, Tiago Marangoni, também comentou que a decisão depende de cada lojista. Além disso, Marangoni afirmou que entende a insatisfação de muitas pessoas, principalmente dos associados, com o resultado das eleições. Tiago também ressaltou que as manifestações não podem influenciar a liberdade de outras pessoas. Ouça a entrevista realizada sobre o assunto:

 

A CDL de Içara emitiu uma carta aberta aos associados. Confira:

A Câmara de Dirigentes Lojistas de Içara vem a público dizer que, enquanto entidade, sempre aderimos a luta em defesa dos seus direitos (principalmente no período de pandemia) para que o comercio permaneça aberto, em qualquer hora e qualquer dia, e sempre lutaremos em defesa do comerciante.

Acima de tudo, respeitamos a pluralidade de ideias, opinião e preferência política. Compreendemos a insatisfação quanto a isso tudo e, sendo assim, defendemos o seu direito de manifestação e protesto, desde que respeitando os limites da nossa constituição e não ferindo o direito de outrem.

A abertura ou não abertura do comércio é de responsabilidade de cada proprietário que tem seus direitos reservados e é livre para aderir ou não a essa manifestação.

Confira também:

Lista de boicote: quem faz e quem divulga pode responder criminalmente