A saúde da mulher, em todos os aspectos, é ainda mais valorizada durante a campanha do Outubro Rosa. A campanha reforça a importância da realização de exames e do diagnóstico precoce do câncer de mama e do câncer de colo de útero. Além disso, todos os outros fatores da saúde da mulher também merecem destaque. Um desses fatores é a saúde mental feminina. De acordo com a psicóloga da Secretaria de Saúde de Urussanga, Daniela Frassetto, as mulheres podem desenvolver alguns transtornos diferentes dos homens, principalmente por conta dos picos de hormônio, que causa irritabilidade e outras mudanças de humor.

Conforme a profissional, a mulher passa por várias mudanças em sua vida que podem afetar a saúde mental. A gestação e a maternidade é uma delas. “Às vezes é só olhado mais a parte física da mulher, dela e do bebê, se eles estão bem, mas não é visto a outra parte, que é a questão mental. Como ela está, como ela está lidando com isso, até porque às vezes é uma gravidez indesejada, não planejada, então isso influencia. A própria gravidez em si faz uma mudança na vida da mulher porque ela deixa de ser filha e agora ela passa a ser mãe”, comenta a psicóloga.

Daniela ainda fala que, em muitos casos, o homem tem a preocupação com o sustento, enquanto a mulher tem uma preocupação maior que é como vai lidar com a criança e a educação dela. “Ai vem uma questão que é muito cobrada da mulher que é a culpa, tudo que se der errado, a culpa é dela”, afirma. A psicóloga Daniela participou de entrevista no programa Comando Marconi e falou mais sobre o assunto. Confira na íntegra:

 

Daniela ressalta também que as mulheres, principalmente as mães, precisam de um tempo para si mesma. “Tem algumas mulheres que, às vezes, acham que tem que dar conta de tudo sozinha. Elas, a gente, precisa de ajuda. Nós somos fortes em alguns momentos e frágeis em outros”, comenta. Conforme a profissional, há muitos casos em que a mulher cuida muito da saúde do marido e dos filhos, mas acaba se esquecendo de cuidar da própria saúde. Daniela frisa que praticar o auto cuidado não é egoísmo, e que as mulheres podem fazer coisas, como sair com os amigos, praticar atividades físicas e outras ações sem prejudicar o seu amor e cuidado com a família.

Ter o convívio social com outras pessoas também é importante para a saúde mental. Participar de grupos como o de mães e idosos é muito recomendado. São nesses grupos em que as mulheres têm a oportunidade de conversar com outras mulheres, trocando experiências de suas vidas. Ainda conforme a psicóloga, uma boa saúde mental requer sono adequado, pratica de atividades físicas, autoconhecimento, alimentação e a parte espiritual.

Leia também:

Outubro Rosa: saúde sexual da mulher é tema de entrevista