O bispo da Diocese de Criciúma, dom Jacinto Inacio Flach, é um dos integrantes da comitiva de Santa Catarina que está no Vaticano e se encontrou com o Papa Francisco na manhã desta sexta-feira, dia 28. A comitiva de bispos e representantes da Conferência Nacional do Bispos do Brasil CNBB Sul 4, que corresponde ao Estado de Santa Catarina, está na visita Ad Limina Apostolorum.

A visita é uma obrigação dos bispos diocesanos, de a cada cinco anos se encontrarem com o Papa, visitando os túmulos dos apóstolos São Pedro e São Paulo, em Roma. Um momento singular das audiências com o Papa é constituído pela entrega dos presentes. Em nome de todo Regional Sul 4, Francisco recebeu uma imagem exclusiva de São Francisco esculpida em barro pelo artista catarinense João Dias (Dão).

O presidente do Regional, dom Francisco Carlos Bach, bispo de Joinville, ressaltou a “paternidade do Santo Padre conosco. Sentimos um homem admirável, que tem um amor imenso pela Igreja e um imenso amor por cada um dos bispos da nossa nação brasileira. Um homem que realmente dispõe-se e estar conosco apesar das dificuldades de saúde em função da idade. Ele é alguém que se dispõe a estar conosco com muito, muito amor. Tanto que dizíamos: ‘Santo Padre, viva o máximo possível, porque a Igreja precisa do senhor e o Brasil o ama e ama muito’. Ele ficou muito satisfeito e muito feliz com tudo aquilo que ouviu de nós”.

Para dom Jacinto Inacio Flach, todos foram acolhidos “irmão entre os irmãos”, em uma conversa humana e fraterna. “Os próprios guardas me disseram que sentem esse clima humano e fraterno lá dentro”, comentou o epíscopo. “Um bonito testemunho que o Papa Francisco nos deixa e nos dá como bispo, ele que, além de Papa, claro, é o bispo de Roma”, por sua vez disse dom Cleocir Bonetti, bispo de Caçador.

Os bispos iniciaram suas atividades no dia 24, participando da Celebração Eucarística na Basílica de São Pedro, junto ao Altar da Tumba de São Pedro. A Basílica de São Pedro fica situada no Estado do Vaticano, sua construção demorou 120 anos (1506-1626). No catolicismo é considerada a maior e mais importante Igreja, onde está enterrado os restos mortais de São Pedro, e de onde provém o nome da Basílica.

Nos dias seguintes estiveram ainda na Basílica de Santa Maria Maior, considerada a maior igreja mariana de Roma, sendo uma das quatro basílicas papais e na Arquibasílica do Santíssimo Salvador e dos Santos João Batista e João Evangelista de Latrão. A comitiva segue em Roma até a próxima semana.

Com informações da Diocese de Criciúma