Agir localmente para mudar o mundo. Este é um dos princípios do Rotary, que atua em serviços comunitários em vários países há quase 118 anos. São mais de 1,4 milhões de pessoas associadas ao Rotary em todo o mundo que atuam em prol das necessidades da comunidade. De acordo com o governador do Distrito Rotary 4652, que compreende parte de Santa Catarina, Erlon Cimardi, o clube é uma rede que conecta as pessoas que estão dispostas a se unir e atender as necessidades dos outros.

O Brasil possui 31 distritos do Rotary, sendo 530 no mundo todo. “Estamos em mais de 200 países. Nós somos a única entidade não governamental que temos uma cadeira na ONU (Organização das Nações Unidas). Fomos, inclusive, junto com alguns países, os formadores da ONU. No Brasil somos mais de 50 mil rotarianos, com mais de dois mil clubes de Rotary”, ressalta Cimardi. Somente no Distrito 4652, formado desde as duas divisas de Santa Catarina com outros estados, possui mais de 2.400 rotarianos, com 120 clubes.

“É uma união de esforços, uma união de voluntários, que em suas comunidades verificam as necessidades. Por isso que a gente fala que o Rotary age localmente para mudar o mundo”, frisa o governador do distrito. O Rotary possui sete áreas de atuação: consolidação da paz e prevenção de conflitos; prevenção e tratamento de doenças; água, saneamento e higiene; saúde materno-infantil; educação básica e alfabetização; desenvolvimento econômico comunitário; e meio ambiente. Urussanga também possui um clube que age em diversos trabalhos e projetos no município.

O programa Ponto de Encontro abordou mais sobre a história do Rotary Clube e de seus objetivos em entrevista com Erlon. Ouça mais na íntegra:

Parte 01

 

Parte 02

 

Uma das principais missões do Rotary International é a erradicação da poliomielite, vírus que causa a paralisia infantil. Os voluntários atuam na promoção da vacinação de crianças contra a doença. O governador Erlon destaca também a atuação do Rotary Clube de Urussanga na campanha de vacinação contra a pólio no município, no qual a Secretaria de Saúde conseguiu ultrapassar a marca de 100% das crianças vacinadas (leia mais aqui). No entanto, essa não é a realidade de outras cidades, inclusive do Brasil, que ainda não atingiu a meta estipulada, que é de 95%.

No Brasil, a pólio está erradicada há quase 30 anos. No entanto, o Rotary ainda age para que a doença seja erradicada do mundo, já que há países, como o Afeganistão, que possuem o vírus ainda circulando. Apesar de não existir a doença no Brasil, a vacinação ainda se faz necessária porque há risco do vírus da pólio ser reintroduzido. Erlon ainda explica que, quando o país ainda tinha a doença circulando na década de 80, o Rotary colaborava custeando as vacinas.