O Dia Mundial da Trombose foi lembrado no último dia 13 de outubro, e tem o objetivo de alertar os riscos da doença. De acordo com a médica angiologista e proprietária da Clínica Scan, doutora Ana Paula Martins Nazário, existem vários riscos que podem estar ligados à trombose, tanto como pré-disposição como de hábitos de vida. Além disso, a especialista ressalta que estudos recentes mostram a influência da Covid-19 em casos de trombose. “O coronavírus está ligada a um processo de inflamação intenso, e algumas pessoas podem realmente desencadear a trombose, e nós sabemos que o vírus vai coexistir com a gente, então esse risco de trombose pode ser com qualquer pessoa”, afirma.

A doutora também frisa que o tabagismo está ligado ao aparecimento da doença. “Principalmente quando a pessoa é tabagista há longa data, a gente tem aumento do colesterol vinculado ao sangue”, explica. Além disso, reposições hormonais também podem influenciar. “Tem N fatores hoje em dia que temos que alertar e, nós, médicos, também temos que alertar da importância em cuidar, que a trombose pode ser tratada e o risco maior de uma trombose realmente é a embolia pulmonar, que pode levar à morte. Então temos que tratar, que hoje uma trombose pode ser tratada em casa, nem sempre há uma necessidade de internação, mas é importante alertar que os fatores estão aí”, comenta.

A doutora Ana Nazário participou de entrevista no programa Ponto de Encontro e falou mais sobre o assunto. Ouça:

Parte 01

 

Parte 02

 

O lugar mais comum de ocorrer a trombose é a panturrilha, no entanto, há casos em que o problema se manifesta em outros lugares. Conforme Ana, aproximadamente 30% das pessoas que têm trombose não apresentam sintomas, por isso a necessidade de estar em dias com os exames médicos. “Nós temos a trombose nas veias, que é o sangue quando volta para o coração e a gente pode ter uma trombose na artéria, que é o sangue levado do coração para os dedos, os pés e tudo mais. Então a trombose arterial pode ser um dos principais sintomas, que é a dor na batata da perna, principalmente quando você quer iniciar uma caminhada, porque o sangue não consegue chegar ao destino, que são os pés e dedos”, esclarece.

A meia elástica pode ser usada em pessoas que ficam muito tempo em pé, já que ela atua na retenção de líquidos. Além disso, é primordial que a pessoa consuma água. “Outro fator importante é caminhar, exercitar-se, não ficar só deitado, principalmente quem fez um procedimento cirúrgico ou estético que tenha ficado de repouso. É importante estimular”, reforça. Saiba mais sobre a Clínica Scan nas redes sociais: Instagram, Facebook e Site. Agende uma consulta pelo telefone (48) 9 9654-7222.