A rinite é uma manifestação inflamatória da mucosa do nariz e dos seios paranasais. As pessoas que possuem a rinite costumam apresentar sintomas como espirros em salva, que são vários espirros em sequência, obstrução nasal constante, coriza, além de coceira no nariz e, em alguns casos, nos olhos. Conforme a coordenadora do Departamento Científico de Rinite da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), doutora Maria Cândida Rizzo, esses são sintomas comuns de quem sofre de rinite alérgica, causada pelo contato com os alérgenos do ambiente, ou seja, a poeira, pólen ou animais domésticos.

Conforme a especialista, uma criança que possui pais alérgicos possui de 50% a 70% de chance de desenvolver a rinite alérgica. A manifestação dela é mais comum após os dois anos de idade, podendo atingir aproximadamente 26% das crianças. De acordo com dados do Estudo Internacional de Asma e Alergias na Infância, esse percentual vai a 30% em adolescentes. Além do contato com os alérgenos, a pessoa pode apresentar os sintomas por conta de uma infecção viral. “Como a mucosa dele já é inflamada pela própria rinite alérgica, um vírus em cima dessa mucosa, que já está inflamada, vai causar uma manifestação muito maior. Então são aquelas crianças que têm resfriado e que demora muito para melhorar, diferente de uma outra criança, por exemplo, que não tenha alergia”, comentou.

Para o tratamento da rinite, é importante que os pacientes sigam orientações importantes, como: evitar ambientes empoeirados, mal ventilados e que possuem poluição, incluindo o cigarro. Além disso, crises de rinite também podem ser evitadas com determinados hábitos, como colocar colchões e travesseiros em capas impermeáveis aos ácaros; trocar e lavar regularmente as roupas de cama; evitar tapetes, carpetes e cortinas; dar preferência a pisos de cerâmicas e cortinas do tipo persiana, que podem ser higienizados com pano úmido; e ter um dormitório que seja o mais limpo possível de objetos que acumulem poeira. A doutora Maria participou de entrevista no programa Ponto de Encontro e explicou mais sobre o assunto. Ouça na íntegra:

 

A especialista ressaltou sobre o cuidado com a lavagem das roupas de cama. “A cama do paciente é o local onde tem mais ácaros, é onde ele tem a pior evolução no sentido de sintomas. Então por isso muitas vezes, à noite, a rinite piora, e também logo que o indivíduo acorda, pelo fato dele ter tido exposição a muito ácaro durante a noite. Tudo que tem tecido pode levar a proliferação de ácaros”, explicou Maria. A doutora ainda completou que os ácaros se alimentam de restos de pele humana, e que, durante uma noite, a pessoa tende a perder, em média, uma grama de pele enquanto se vira na cama ao dormir.

Sobre a ASBAI

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia existe desde 1972. É uma associação sem finalidade lucrativa, de caráter científico, cuja missão é promover a educação médica continuada e a difusão de conhecimentos na área de Alergia e Imunologia, fortalecer o exercício profissional com excelência da especialidade de Alergia e Imunologia nas esferas pública e privada e divulgar para a sociedade a importância da prevenção e tratamento de doenças alérgicas e imunodeficiências. Atualmente, a ASBAI tem representações regionais em 21 estados brasileiros.