O vereador de Urussanga, Thiago Mutini (PP), afirmou que teve acesso às informações do WhatsApp da ex-chefe de gabinete porque a conta estava logada no computador da prefeitura. Thiago contou que acessou o computador, que ressalta que é público, e achou, no primeiro momento, que a conta do WhatsApp era do gabinete e não de Andresa Baldassar dos Santos, já que foi notado várias conversas com pessoas articulando sobre a cassação do prefeito Luis Gustavo Cancellier (PP) e do vereador Rozemar Sebastião (PDT), o Taliano. Thiago afirmou que todas as conversas estão com a assessoria jurídica da prefeitura e que elas serão encaminhadas ao Ministério Público, e que mais ninguém possui acesso às informações.

Mutini ressaltou que não foi um ataque hacker, já que a conta do WhatsApp de Andresa estava logada no computador público da prefeitura. Em entrevista ao Comando Marconi desta terça-feira, dia 21, a ex-chefe de gabinete frisou que considerou um ataque hacker porque não autorizou o acesso das informações privadas dela, mesmo que a conta estivesse aberta no computador (ouça na íntegra aqui). Sobre ser mencionado pelo vereador Luan Varnier (MDB) para mudar de voto na Comissão de Investigação e Processante (CIP) contra o prefeito, Thiago explicou que só conversou com ele para alertar que teve acesso visual sobre as conversas políticas dele com Andresa, mas afirmou que não sabe a fundo o teor.

Vereador Thiago Mutini (PP). Foto: Edi Carlos De Rezende / Rádio Marconi

O presidente do Legislativo, Elson Roberto Ramos (MDB), o Beto Cabeludo, também disse que Luiz Carlos Cardoso, o Nariz, conversou com ele sobre áudios e mensagens do WhatsApp de Andresa. Em entrevista, Nariz afirmou que realmente conversou com Beto sobre a situação, e disse que não o pressionou para mudar de voto na CIP já que Beto é o presidente da câmara e não participa da votação. Nariz confirmou que realmente disse que se o vereador Taliano teve o mandato cassado por um caminhão de areião, outras pessoas ligadas à política também iriam “cair”. “Pelo áudio que eu ouvi, aí então cai a câmara inteira, cai até os assessores na verdade, cai todo mundo, cai a casa”, afirmou.

Nariz disse que fez esse alerta ao presidente da câmara sobre a situação na intenção de mostrar que a cidade está atrasada em comparação aos outros municípios da região. Isso porque, segundo Nariz, o Legislativo de Urussanga apenas discute sobre CIPs do prefeito e de vereadores ao invés de debater sobre projetos e melhorias para a cidade. Luiz Carlos ainda falou que a Legislatura precisa começar a fazer coisas boas para a cidade, já que Urussanga está perdendo com isso. Tanto Thiago como Nariz afirmaram que não possuem acesso às mensagens de Andresa e que apenas viram visualmente no computador da prefeitura.

Luiz Carlos Cardoso, o Nariz. Foto: Edi Carlos De Rezende / Rádio Marconi

O vereador Thiago e Luiz Carlos participaram de entrevista no Comando Marconi e explicaram sobre a situação de serem acusados de invadir o WhatsApp privado de Andresa e sobre terem chantageado parlamentares a mudarem de voto na abertura da CIP. Ouça na íntegra:

Parte 01

 

Parte 02

 

Andresa afirmou que já registrou um boletim de ocorrência sobre a situação. Thiago garantiu que irá colaborar com as investigações e que, tanto ele como Nariz, estão tranquilos com todo o caso. O vereador frisou para todos que não houve hackeamento no WhatsApp de Andresa e que foi apenas a conta que estava logada no computador público e que achou que fosse uma conta da própria prefeitura e não pessoal.

Confira também:

Vereadores do MDB são chantageados para votar contra abertura da CIP do prefeito de Urussanga

Texto: Karine Possamai Della