Santa Catarina teve o total de chuvas abaixo da média nos primeiros quinze dias de fevereiro. A estiagem no estado foi o assunto também na reunião da Assembleia Legislativa. Em discurso, o deputado Silvio Dreveck (PP) alertou para a necessidade de ações de curto, médio e longo prazo e de maior conscientização da sociedade sobre a preservação dos recursos hídricos. O assunto foi destaque durante o programa Comando Marconi. Ouça entrevista que o parlamentar Silvio Dreveck concedeu ao comunicador Joel Bernardo:

 

A estiagem em Santa Catarina foi o assunto destacado na sessão desta quinta-feira (17) na Assembleia Legislativa. O deputado Silvio Dreveck (PP) alertou para a necessidade de ações de curto, médio e longo prazo e de maior conscientização da sociedade sobre a preservação dos recursos hídricos.

O parlamentar comentou que tem acompanhado a situação da estiagem no estado “e, em especial, no Oeste e Meio-Oeste”. Ele acredita que é necessário o emprego de medidas e políticas públicas urgentes por causa da frequência com que o problema ocorre em território catarinense. “No meu modo de entender, de avaliar, é preciso estudos técnicos sim. Mas também de políticas publicas permanentes”, comentou. Para Dreveck, primeiro é fundamental a tomada de decisões urgentes para gerar soluções de curto prazo. Em segundo lugar, avaliou, entram as políticas e decisões de médio prazo e, por último, aquelas voltadas para longo prazo.

O deputado citou que a emergência exige a participação efetiva dos governos do Estado, da União e dos municípios para resolver o problema das populações. “Há necessidade, sim, de praticar um programa como projetos de preservação dos recursos hídricos, além da conscientização e trabalho pedagógico com participação efetiva da população e dos órgãos públicos no sentido de proteger as nascentes, as margens dos rios e riachos”, citou.

Dreveck falou ainda que falta evitar as ocorrências de descarte irregular de lixo, em todas as regiões de Santa Catarina. “Lamentavelmente, com toda a disposição que os órgãos públicos oferecem na coleta de lixo, doméstico ou inorgânico, infelizmente, vemos ainda no estado de Santa Catarina o não recolhimento. Ainda há pessoas e famílias que não colocam o lixo no devido local. Preferem muitas vezes colocar nas barrancas, nos riachos, nos rios”, criticou.

Outra sugestão do parlamentar é que, além de um programa na captação de água, a perfuração de poços artesianos seja feita para pensar em um projeto de irrigação. “Primeiro é o ser humano, segundo a nossa produção agropecuária. Tem custo? Tem, mas é menor do que passar o que estamos passando”, argumentou.

O representante de São Bento do Sul contou que visitou Israel em 2017 e lá viu de perto soluções que poderiam ser adaptadas ao estado. “É um deserto e, por incrível que pareça, tem produção de alimentos. Tem arborização, água para a população. E veja que eles não têm água potável. Captam a água do mar, purificam e transformam em água potável tanto para a população quanto para a irrigação, inclusive na área urbana. Temos como buscar experiências e usar em Santa Catarina. Somos um estado exportador para outros estados e para muitos países e não podemos perder essa condição”, concluiu.

O parlamentar também falou sobre lei de punição para perturbação do sossego que é de autoria dele. 

Colaboração Texto: Alessandro Bonassoli / Agência AL