Cinco câmeras de monitoramento serão instaladas em pontos estratégicos de Urussanga. Os equipamentos são do modelo de reconhecimento ótico de caracteres (Optical Charecter Recognition – OCR). “São câmeras que fazem a identificação que são linkadas, inclusiva, ao sistema da polícia. Elas conseguem identificar veículos roubados, veículos com licenciamento atrasado… fazem toda essa identificação incluindo o sistema policial nessas câmeras, sem a necessidade de ter um policial para visualizar essas intercorrências”, explicou o capitão da Polícia Militar, Tiago Lemos. Já há planejamento para a ampliação do número de câmeras no município, para reforçar a segurança dos urussanguenses.

“São as possíveis rotas de fuga e muitos locais dão acesso a muitos bairros, como Santana e Rio América, que são bairros que acabam por vezes desmembrando em outras comunidades. Então nós priorizamos colocar em algum desses pontos para que a gente conseguisse visualizar quem entra e quem sai dos bairros”, esclareceu o capitão sobre os cinco trechos escolhidos em Urussanga. A previsão para que sejam instaladas as câmeras é até em outubro, no máximo.

Confira mais detalhes na entrevista completa realizada com Tiago Lemos para o programa Comando Marconi:

 

Rede Catarina

Conforme Lemos, a PM participará da sessão de hoje (17) na Câmara de Vereadores de Cocal do Sul para mostrar aos parlamentares sobre o programa da Rede Catarina. No programa, os policiais fazem o cumprimento de medidas em proteção à mulher. “Nós dispusemos uma policial feminina, que isso é algo trivial para o funcionamento do programa. Existe a necessidade de uma mulher conversar com outra mulher, então nada melhor que uma policial para entender os problemas e as necessidades desse calo social que existe em toda a nossa sociedade, que é a questão da violência doméstica”, frisou.

A vítima também tem acesso ao botão do pânico, que é importante ferramenta que auxilia as mulheres a acionarem a guarnição. Ao ser acionado, a ocorrência fica em frente a todas os outros registros da PM, tornando-se prioritário para a guarnição policial, para que possa ser atendido primeiro. Morro da Fumaça, Urussanga e Cocal do Sul já fazem parte da Rede Catarina de Proteção à Mulher.

Da Redação