Maria Luiza dos Santos, de 6 anos, é moradora de Cocal do Sul e desde seu nascimento sofre de uma doença, a Neurofibromatose tipo 1, que atinge a perna direita. Em 2020, fez uma cirurgia para a colocação de um fixador de ferro e agora necessita fazer a retirada. No ano passado, uma campanha realizada pela Juventude Progressista do município ajudou a família a custear o procedimento. Agora, Maria Luiza precisa novamente passar por outra intervenção e necessita da sua ajuda. Uma Vakinha com o nome “Ajuda-me” foi criada com o objetivo de alcançar o valor necessário para a cirurgia, que é de R$ 15 mil. Doe qualquer valor e ajude a saúde da menina Maria Luiza.

O programa Ponto de Encontro tratou sobre o assunto em entrevista com os familiares de Maria Luiza. Ouça mais detalhes sobre a saúde da menina e do procedimento que ela precisa passar:

 

Aparelho precisa ser retirado

O médico especialista, responsável pelo caso de forma solidária, doutor Richard Luzzi, de Curitiba, explicou que é necessário fazer a retirada do aparelho o quanto antes. “Este aparelho foi colocado para buscar a consolidação da tíbia (osso da perna). Essa doença é uma mutação genética e essa progressão, no caso da Maria Luiza, levou a enfermidade na perna, seguido de um quadro de fratura, encurtamento da perna e ainda perda óssea”, afirmou.

“Na primeira cirurgia, nós tivemos que fazer o alongamento da perna e consolidar o osso da perna. Esse aparelho que ela utiliza há mais de um ano faz parte do tratamento para auxiliar no aumento do fluxo de sangue e, desta forma, ajudar a cicatrizar. Contudo, a demora para retirá-lo passa a ter um efeito negativo, colaborando para a perda de cálcio em um osso já calcificado, colocando em risco todo procedimento até aqui”, completou.

Mesmo com a retirada do aparelho, o tratamento da Maria Luiza ainda precisa continuar. Ele só será finalizado quando ela parar de crescer, tornando-se adulta. “Existe uma tendência para a volta de algumas deformidades, por isso precisamos ficar atentos em cada momento, acompanhar, controlar e se for necessário fazer pequenas intervenções para evitar problemas maiores. Esse tratamento é para que a menina possa ter uma infância e volte a andar. Porém, ela precisará evitar fraturas até entrar na vida adulta”, esclareceu Luzzi.

Acesse aqui e doe pela Vakinha. Caso tenha dúvidas ou queira contribuir de outra maneira, entre em contato pelos fones (48) 9 9948 7242 ou (48) 9 9911 2321

Daniel Miguel Candinho (cunhado da menina) e Nathiely Kauany dos Santos (irmã da Maria Luiza) participaram do Ponto de Encontro

Colaboração: Maria Luiza Da Rolt / Jornalista apoiadora da campanha