Com o anúncio da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de Santa Catarina (Adepol) que decidiu entregar os cargos estratégicos após a aprovação da Reforma da Previdência, algumas pessoas ficaram com dúvidas sobre o atendimento da Polícia Civil da Comarca de Urussanga. O delegado Ulisses Gabriel afirmou que os atendimentos na região permanecem normalmente. A proposta do governador Carlos Moisés para a reforma gerou descontentamento por parte dos policiais civis, isso porque, segundo o delegado Ulisses Gabriel, não houve igualdade de tratamento com a Polícia Militar.

Conforme Ulisses, a Polícia Militar e a Civil exercem o mesmo papel com os mesmos salários, porém não houve o mesmo tratamento e igualdade nos termos da Reforma da Previdência. “O que a gente deseja é que ambas tenham uma equiparação na questão da Reforma da Previdência, por quê? Geralmente o crime não envelhece, dificilmente a gente prende alguém com mais de 30 anos de idade com relação a criminalidade violenta, então a pessoa tem de 16 a 30, ou de 16 a 28, como média, geralmente são jovens, fortes e homens. Então imagine um policial civil tenha que trabalhar até os 65 anos de idade para ter direito a uma integralidade, enquanto isso não ocorreria com a Polícia Militar”, explicou o delegado.

O delegado Ulisses Gabriel esclareceu sobre o descontentamento por parte da Polícia Civil com a Reforma da Previdência durante entrevista ao Comando Marconi. Ulisses também abordou sobre os trabalhos desenvolvidos na Comarca de Urussanga. Ouça mais detalhes na íntegra:

 

Confira também: Delegado fala sobre inquérito policial que apura crimes de ex-agente público de Urussanga

Da Redação