Está circulando uma informação falsa nas redes sociais que afirma que o Hospital São José de Criciúma será vendido. A diretoria da entidade comunica que a informação veiculada é totalmente falsa. A diretora geral do hospital, irmã Isolene Lofi, afirma que a “fake news” foi divulgada com o intuito de desestabilizar a população e os colaboradores da entidade.

Saiba mais detalhes na entrevista completa com o esclarecimento da irmã Isolene para o programa Comando Marconi:

 

Confira também a nota oficial divulgada pelo Hospital São José:

Comunicado

O Hospital São José de Criciúma, administrado pelas Irmãs Escolares de Nossa Senhora – IENS, bem como seu corpo diretivo, vem comunicar a população de Criciúma e região, que é absolutamente falsa a notícia de que a Entidade pudesse estar sendo vendida.

“Ficamos tristes com comentários desta natureza. O Hospital São José é uma missão nossa. Há quase 85 anos, assumimos este compromisso e vamos em frente com ele, na missão de “prestar assistência hospitalar a todos com excelência, criando condições para educação em saúde, por meio do ensino e pesquisa de forma integrada com a comunidade”, não vamos, enquanto tivermos vida, deixar desta missão”, aponta a irmã Isolene Lofi, Diretora Geral do HSJosé.

Desta forma, por meio de seus diretores, o HSJosé reforça que em momento algum, a direção da entidade teve qualquer tratativa que pudesse gerar a informação de que o hospital estivesse sendo vendido.

Futuro

O HSJosé tem projetado para os próximos anos muitas mudanças, melhorias e ampliações; projetos estes, que já estavam em seu escopo administrativo e planejamento estratégico.

Nos próximos anos um novo prédio com oito andares será concluído; este fará ligação com o Santa Vita Saúde Center, por intermédio de uma passarela. O novo prédio deverá abrigar novos serviços de internação, leitos de UTI, centro de diagnóstico por imagem e quimioterapia.

Estes e muitos outros projetos estão no planejamento estratégico do Hospital São José de Criciúma que presta serviço para toda região; possui mais de 1700 colaboradores e 350 médicos no corpo clínico.