A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (29) a resolução que estabelece as faixas de acionamento e os adicionais das bandeiras tarifárias a partir de 1º de julho de 2021. O valor da bandeira tarifária patamar 2 passará de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

O motivo deste reajuste segundo a Aneel, refere-se a seca que atinge os reservatórios das hidrelétricas que é a maior dos últimos 91 anos. Com isso, é preciso aumentar a geração das termelétricas, que usam a queima de combustível ocasionando um custo maior para a geração. A tendência é que a cobrança dessa bandeira seja mantida até o mês de novembro.

A diretoria da Aneel decidiu também novos valores para as outras bandeiras. A amarela será de R$ 1,874 a cada 100kWh; a vermelha patamar 1, de R$ 3,971 a cada 100kWh e a vermelha patamar 2 o valor R$ 9,492 a cada 100 kWh, a bandeira verde tem custo zero.

O presidente da Cooperativa Energética Cocal do Sul (Coopercocal), Altair Lorival de Melo (Belha), e o engenheiro elétrico e responsável técnico da cooperativa Estefano Luiz Costa falam sobre esse reajuste para a região. Ouça a entrevista completa realizada no programa Comando Marconi:

 

Por isso, a Coopercocal faz um alerta a seus consumidores sobre a importância de economizar energia, tanto para a situação hídrica que o país enfrenta, quanto para não haver surpresas na conta da energia, pois o reajuste da bandeira tarifária representa um acréscimo considerável no bolso do consumidor.

Colaboração: Danylla Zanette / Assessoria de Comunicação