As obras de pavimentação da Rodovia Tranquilo Sartor, em Morro da Fumaça, foram acompanhadas desde o início pelo Observatório Social. Os integrantes da organização perceberam irregularidades na qualidade da obra e notificaram o Poder Executivo Municipal para averiguar e realizar as correções necessárias. Com isso, o Ministério Público foi notificado pelo observatório para que haja mais cobranças nos trabalhos desenvolvidos pela construtura responsável pela obra.

De acordo com o secretário de Infraestrutura de Morro da Fumaça, Natan Felipe de Souza, a obra está em fase de finalização, sendo realizadas as vistorias e fiscalizações. “É uma obra em que envolvia várias etapas e que tivemos ao longo, desde a concepção do projeto até alguns questões de execução, sim, houve alguns equívocos, mas em nenhum momento o município deixou de dar explicações ou deixou de atender solicitações”, disse Felipe.

Segundo a nota oficial divulgada pelo Observatório Social Fumacense, apesar de algumas solicitações terem sido notificadas pelo poder municipal, não foi o suficiente para que a demanda fosse atendida. Veja abaixo:

Natan Felipe afirma que a decisão do Observatório Social gerou surpresa ao executivo do município. “Ficamos um pouco chateados porque justamente a gente sempre esteve de portas abertas, tivemos certa franqueza e nos pegou de surpresa isso ter quase envolvido a uma denúncia, de algo que estava sendo resolvido”, comenta o secretário. Natan ainda comenta que seria realizada uma reunião nesta quinta-feira (8) com os representantes municipais junto ao Observatório para realizar as tratativas das demandas, mas que foi cancelada devido as ações feitas.

Confira o esclarecimento completo de Natan Felipe sobre o assunto durante o programa Comando Marconi:

 

O presidente do Observatório Social, Glauber Recco, explica que em dois anos de obra, a qualidade não foi conforme o esperado. Recco afirma que tanto a prefeitura como a Secretaria de Obras sempre atendeu ao observatório e mostrou preocupação com as obras. “Nós fizemos uma reunião com a construtora alguns meses atrás, juntamente com a prefeitura, secretaria e engenheiros do observatório. Nessa reunião, foi de fato ajustado algumas ações que serão feitas daqui para frente, a construtora vai acompanhar algumas situações, alguns problemas vão recuperar lá no final daqui a 12 meses, a construtura colocaria uma camada asfáltica nova e toda a pintura de novo”, comentou.

Porém, Recco conta que nos anos durante as obras, a construtora nem sempre cumpria as promessas. “Nós procuramos o Ministério Público para achar uma maneira de fazer com que aquilo que foi prometido pela construtora de fato fosse cumprido. Foi apenas uma reunião, não teve documentos, nada assinado, foram só promessas”, explicou. “Nós não denunciamos a prefeitura, nós denunciamos a construtora. Na verdade fizemos uma reunião com a promotora contra a construtora”, completou o presidente.

“A prefeitura compactua da mesma situação nossa. Só que também às vezes cobra, só que se a construtora não faz, também fica difícil para a própria prefeitura”, disse Recco. “Trabalhamos com a prefeitura há muito tempo, nós conhecemos e sabemos da importância que eles dão para a obra e para as coisas do dinheiro do município. Agora, a situação que a construtora deixou a rodovia também nos deixa indignados, se você passar pela rodovia hoje, ela já tem 26 remendos em um trecho de três quilômetros, parece uma rodovia que já tem 20 anos de uso”, afirma.

O secretário ressalta que a ação na verdade é uma forma de ajuda para a prefeitura para que também possa cobrar da construtora uma solução mais efetiva para o problema.

Ouça o esclarecimento completo do Presidente do Observatório Social de Morro da Fumaça Glauber Recco para o Comando Marconi sobre o pedido feito ao Ministério Público:

 

Da Redação