Os aumentos nos registros de casos de suicídio, de violência doméstica e do uso de bebida alcoólica pela população em função da pandemia do Coronavírus foram assuntos abordados pelo deputado estadual Sergio Motta (Republicanos), na sessão desta quinta-feira (06), no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina.

O parlamentar destacou que em alguns municípios de Santa Catarina, os prefeitos estão determinando por meio de decreto o fechamento de templos religiosos em função dos riscos de contaminação por causa da doença. Com isso, Motta alerta que esta decisão é um desrespeito a lei nº 17.940, que considera a atividade religiosa, essencial em Santa Catarina, aprovada recentemente durante a pandemia, pela Alesc.

Ele destaca que os templos religiosos são os que mais estão respeitando as regras de distanciamento e redução da capacidade para proteção das pessoas. “Sabemos da gravidade da doença, mas, é preciso que saibam também que as pessoas estão abaladas, precisam de orientação espiritual, ajuda psicológica e neste momento é a igreja que procuram para um pouco de conforto”, resumiu Motta.

O deputado destacou ainda, por meio de vídeo, situações em que as pessoas estão aglomeradas no comércio, nas filas de banco enquanto por decisão do prefeito, tem igreja fechada. “É lamentável que os prefeitos não estejam respeitando uma lei aprovada, as pessoas estão vivendo momentos difíceis e buscam a igreja para mudar. Muitos são alvo de pensamentos negativos. Tem gente pensando em se matar, precisamos dar apoio para pastores, padres, bispos e todos aqueles que apoiam as pessoas com a palavra de Deus, para que possamos assim resgatar vidas”, disse ele.

Colaboração: Jornalista Kênia Pacheco