PC prende quatro pessoas envolvidos em crimes de extorsões sexuais em Criciúma e Içara

A Operação Aletheia ainda resultou no cumprimento de oito mandados de busca e apreensão

149
Foto: Polícia Civil

Na manhã desta terça-feira (07), a Divisão de Repressão à Roubos da Polícia Civil de Criciúma (DRR/DIC), realizou a Operação Aletheia com a finalidade de repressão de extorsões sexuais em série nas cidades catarinenses. A investigação apontou indícios dos crimes de organização criminosa, extorsões, lavagem de dinheiro, falsidade documental/ideológica e corrupção de menores.

Conforme o Delegado de Polícia Yuri Miqueluzzi, coordenador da investigação e titular da DRR/DIC, quatro pessoas tiveram a prisão preventiva decretada e ainda foram cumpridos outros oito mandados de buscas em residências nos bairros Operária Nova, Nova Esperança, Santa Luzia e Imperatriz, em Criciúma, além dos bairros Jaqueline e Boa Vista, em Içara.

A investigação teve duração de quinze meses. A organização criminosa executava complexa articulação para extorsão de vítimas, intimamente expostas em enganosas trocas de mensagens por aplicativos. A atuação dos criminosos tinha início com a criação de perfis falsos de mulheres jovens em redes sociais. Estes perfis eram utilizados para adicionar e arrebanhar potenciais vítimas. As conversas migravam para outros aplicativos de mensagens, onde eram realizadas conversas de cunho sexual e trocas de fotos e vídeos íntimos.

A investigação apontou, que o grupo simulava que os pais da suposta interlocutora tiveram acesso às conversas e vídeos. Alegavam que a menina era adolescente e, a partir daí, passavam a extorquir dinheiro para que o conteúdo íntimo não fosse divulgado para familiares da vítima ou para a polícia. O grupo assumia identidade de policiais e até criava mandados de prisões para dar veracidade aos golpes. Com medo, as vítimas realizavam pagamentos de grandes quantias em contas bancárias. Em uma das contas do grupo, a movimentação mensal superou os R$ 80 mil.

O trabalho investigativo apurou a participação de, pelo menos, seis pessoas no golpe. Os cumprimentos das prisões e buscas tiveram a participação de 50 policiais civis, com atuação de integrantes da DRR/DIC, DRE/DIC, DH/DIC, CORE, SAER, 1ª DP, 2ª DP e DPCAMI de Criciúma, DP de Forquilhinha, DP de Içara e DP de Balneário Rincão.

O nome da operação Aletheia é uma referência a um personagem da mitologia grega associada à verdade. Citada em uma das fábulas de Esopo, com o ensinamento de que algo falso pode às vezes começar com sucesso, no entanto, com o tempo, a verdade “Aletheia” prevalecerá (fáb. 530).