Paróquias da Diocese de Criciúma receberão réplicas da Cruz Missionária

A cruz é o símbolo do Mês Missionário Extraordinário, proclamado pelo Papa Francisco para outubro de 2019  

182
Foto: Comunicação Diocese de Criciúma

Na noite do próximo domingo, 29 de setembro, representantes das 36 paróquias e santuários da Diocese de Criciúma estarão reunidos, na Catedral São José, para participar da missa com o envio das réplicas da Cruz Missionária, símbolo do Mês Missionário Extraordinário, proclamado pelo Papa Francisco para outubro de 2019.

A celebração eucarística, que deve reunir padres, religiosas e leigos de diversas comunidades, abre o tempo de reflexão e peregrinação da cruz, que deverá ocorrer durante o mês em que a Igreja, tradicionalmente, reza pelas missões e por todos os missionários.

A missa terá início às 19 horas e será presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Jacinto Inacio Flach. Com o tema “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo”, o Mês Missionário Extraordinário tem por objetivo “despertar, em medida maior, a consciência da missão e retomar, com novo impulso, a transformação missionária da vida e da pastoral”.

Pedido do Papa

Pede o Papa Francisco: “Que o Mês Missionário Extraordinário se torne uma ocasião de graça intensa e fecunda para promover iniciativas e intensificar, de modo particular, a oração – alma de toda a missão -, o anúncio do Evangelho, a reflexão bíblica e teológica sobre a missão, as obras de caridade cristã e as ações concretas de colaboração e solidariedade entre as Igrejas, de modo que se desperte e jamais nos seja roubado o entusiasmo missionário”.

Como cooperar

Para isso, durante o mês de outubro, os católicos são convidados a três formas de cooperação missionária: oração, oferta e saída missionária. No dia 19 de outubro, em sintonia com a Igreja no mundo todo, as comunidades da Diocese de Criciúma são convidadas a fazer a Vigília Eucarística pelas Missões, cujo folheto para celebração já foi entregue a cada paróquia e santuário. No dia 20, Dia Mundial das Missões, os católicos também são motivados a participar da Coleta Nacional para a Campanha Missionária, cujo valor arrecadado será gerido pelas Pontifícias Obras Missionárias, em favor de iniciativas acompanhadas pela Comissão Episcopal para a Amazônia (da CNBB).

Logomarca

Para vivência do MME, uma logo foi criada, utilizando uma cruz com as cores tradicionais que lembram os cinco continentes: vermelho para a América, verde para a África, branco para a Europa, amarelo para a Ásia e azul para a Oceania. Cada cor tem um significado simbólico que torna possível a conexão entre os continentes através dos povos, na comunhão de Deus com a humanidade. As palavras “Batizados e enviados”, que acompanham a imagem, indicam os dois elementos característicos e inalienáveis de todo cristão: o batismo e o anúncio.

Cruz Missionária

Já a Cruz Missionária, que será enviada às paróquias, trata-se de uma réplica das cruzes abençoadas pelo Sumo Pontífice em sua visita à Bolívia, em julho de 2015, onde abençoou 40 delas e as entregou a representantes de 23 países do continente Americano, em preparação ao 5º Congresso Missionário Americano, que aconteceu em julho de 2018, em Santa Cruz de La Sierra. Para dar continuidade aos congressos missionários, em âmbito de América e Brasil, réplicas destas cruzes foram produzidas e enviadas para cada diocese do Brasil.

A Cruz Missionária recorda a Páscoa de Jesus que ilumina a vida e missão. A haste está em forma de espiral ascendente e recorda o movimento característico da missão, da encarnação em direção a Páscoa de Jesus, crucificado e ressuscitado que ilumina, transformando a realidade. Os cravos testemunham o martírio de Jesus na Cruz. As flores, que brotam da cruz, representam a vida nova que nasce da Páscoa de Jesus Cristo. Em meio à dor e sofrimento, Deus se manifesta e faz ressurgir a esperança e alegria do Evangelho. A inscrição “IHS” significa Jesus, Filho de Deus, Salvador dos Homens. A cruz original porta a relíquia de Santa Nazária, fundadora de uma Congregação Missionária feminina na Bolívia. Neste formato, a cruz faz memória às missões jesuítas da Bolívia e a evangelização dos povos da América Latina. Ela expressa o amor infinito de Deus e salvação da humanidade.

 

Colaboração: Comunicação da Diocese de Criciúma/ Jornalista Bibiana Pignatel