DIC identifica autores de homicídio em Criciúma

A vítima Igor da Cruz Guido, de 20 anos, foi encontrada no dia 09 julho, em um matagal no bairro Naspolini

180
Foto: Divulgação

A DIC de Criciúma, através da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, finalizou o Inquérito Policial que investigou o homicídio de Igor da Cruz Guido, de 20 anos. Seu corpo foi encontrado em estado de putrefação no dia 09 julho deste ano, em um matagal no bairro Naspolini, em Criciúma. Segundo a polícia, o exame cadavérico mostrou que o jovem foi assassinado com golpes de objeto contunde (paulada ou pedrada), quatro dias antes de ser encontrado.

As investigações apontaram que ele foi assassinado por dois adolescentes que conviviam juntos, de 16 e 17 anos, pelo fato da vítima ter praticado um furto na casa do pai de um dos menores. Na noite do dia 05 julho, os adolescentes flagraram Igor pulando o muro da casa carregando um passarinho furtado, tendo os dois imobilizado ele com um golpe “mata leão”, até desmaiar.

Conforme a polícia, como forma de punição Igor foi levado de carro até as proximidades da Mina de Visitação de Criciúma, onde os adolescentes pretendiam agredi-lo e fazer voltar a pé até o bairro Brasília, onde residia. Devido ao excesso na agressão a vítima não resistiu e faleceu. Os adolescentes jogaram o corpo em uma ribanceira, ao lado de um depósito de lixo, numa região de mata do bairro Naspolini.

“Os dois autores confessaram com riqueza de detalhes a autoria do homicídio, dizendo que não desejavam matar o amigo, mas apenas dar uma “lição nele”, porém algumas pauladas atingiram Igor na face, o matando, decidindo os dois desovar o corpo no matagal e retornarem para suas casas, sendo esta versão confirmada por testemunhas que ouviram dos adolescentes tal relato”, disse o Delegado da Divisão de Investigação Criminal de Criciúma, André Milanese.

Os envolvidos possuem antecedentes policiais por roubo, receptação, porte de arma e tráfico de drogas e responderão em liberdade perante à DPCAMI por homicídio qualificado pelo motivo fútil e crueldade na execução.

A redação