Morte de macaco em Urussanga eleva a preocupação com a Febre Amarela

O animal foi encontrado, sem vida, na última sexta-feira (07), no Rio Barro Vermelho

1474

A morte de macacos aumenta a preocupação com a febre amarela na região da Amrec. Um animal foi encontrado, sem vida, na última sexta-feira (07), no Rio Barro Vermelho, comunidade do interior da cidade de Urussanga. A Vigilância Epidemiológica foi avisada somente na segunda-feira (10), porém o macaco já estava em decomposição e sem as condições para a retirada de amostras dos órgãos para o exame cadavérico.

De acordo com o Gerente Regional de Saúde, Fernando De Faveri, sempre quando um macaco é encontrado morto ou doente serve de alerta para o sistema de saúde, pois ele pode estar contaminado com o vírus amarílico, ou outro tipo de doença. “É importante lembrar que os macacos não transmitem a doença para o homem, porém eles têm a imunidade mais baixa e são os primeiros a adoecerem e morrerem. Pedimos às pessoas que se encontrarem macacos mortos, seja em decomposição ou somente a carcaça, para avisarem os profissionais do sistema de saúde”, salienta De Faveri. Ouça os detalhes nas entrevistas realizadas pela Rádio Marconi FM 99.9.

A Coordenadora de Imunizações da Vigilância Epidemiológica de Urussanga, Ednea Acácio:

 

O Gerente Regional de Saúde, Fernando De Faveri:

 

Lembrete

Não mate os macacos, pois eles não transmitem a doença, eles são vítimas como os humanos. Quem transmite o vírus da febre amarela é o mosquito Aedes Aegypti (o mesmo da dengue).

Na região da Amrec ainda há 120 mil pessoas para receberem a imunização contra a Febre Amarela. É importante que moradores próximos a região de mata procurem o setor de saúde para receber a vacina contra a doença.

Crianças a partir dos 09 meses até adultos com 59 anos devem procurar os postos de saúde para ser imunizado.

Abaixo mais informações:

 

Da Redação