Com o crescimento dos carnavais de rua e dos bloquinhos em várias cidades do País nos últimos anos, os foliões têm à disposição um extenso leque de opções para curtir a maior festa popular brasileira. A presença cada vez maior do público exige uma série de cuidados – em especial quando as atividades envolvem a participação de menores de idades –, para que todos possam curtir os dias de folia em segurança.

Uma das prioridades das ações desenvolvidas pelo governo federal neste ano é o cuidado com crianças e adolescentes. Com o tema “Respeitar. Proteger. Garantir – todos juntos pelos direitos da criança e do adolescente”, a Campanha Nacional de Proteção a Crianças e Adolescentes no Carnaval tem como objetivo conscientizar a população e denunciar os casos de violação de direitos envolvendo essa parcela da população.

O foco da ação são os casos mais comuns de violência contra crianças e adolescentes nessa época do ano, como exploração sexual, trabalho infantil, uso de álcool e drogas, desaparecimento de crianças e violação de direitos de meninos e meninas em situação de rua. Além de ajudar a população a identificar os principais casos de violação de direitos, o material da campanha informa os principais canais de denúncia disponíveis, como o Disque 100, o aplicativo Proteja Brasil e os conselhos tutelares.

“Nós estamos trabalhando em parceria com várias organizações do terceiro setor, da sociedade civil e governamentais, com o objetivo de cada um fazer a sua parte”, afirma o diretor de promoção e fortalecimento dos direitos da criança e do adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Washington de Sá.

Orientações

Pais e mães que desejam levar crianças e adolescentes para pular o carnaval devem estar atentos a uma série de fatores. Na hora de escolher o evento, é importante saber se o ambiente é indicado à presença de menores de idade. Além disso, os pais devem manter os filhos por perto e redobrar a atenção para não perdê-los. Por isso, o consumo de álcool em excesso não é recomendado. Confira abaixo algumas dicas de segurança.

  • Responsáveis devem orientar as crianças e adolescentes a não conversarem com estranhos
  • Menores de idades devem portar sempre documento, pulseira ou crachá de identificação
  • Pais devem colocar, nos bolsos das crianças, um cartão contendo dados importantes para localização, como nome, endereço e telefone dos responsáveis
  • Evite lugares lotados e dê preferência às matinês
  • Durante o transporte, crianças com menos de 10 anos de idade devem ficar sempre no banco traseiro. O uso de cinto de segurança é obrigatório em todos os casos
  • Para evitar desaparecimentos, é recomendado definir um local como ponto de encontro

Dicas gerais

Além dos cuidados com crianças e adolescentes, adultos de todas as idades também devem ficar atentos à sua própria segurança. Por isso, algumas dicas são sempre válidas, como não dirigir se consumir bebidas alcoólicas; não estacionar em locais mal iluminados ou isolados; e manter carteiras e objetos como celulares e chaves sempre bem guardados. Também se recomenda não andar com itens de alto valor ou com grandes quantias de dinheiro, que podem ser alvo da ação de criminosos.

Denúncias

Existem várias formas para denunciar casos de violência durante o Carnaval. Além das delegacias de polícia e do telefone 190, destinados a todos os tipos de crime, existem canais específicos para determinados tipo de ocorrências. Casos de violência contra a mulher, por exemplo, podem ser denunciadas pelo Ligue 180. Já violações de direitos humanos envolvendo crianças e adolescentes, população LGBTQ, idosos, pessoas com deficiência e outros grupos vulneráveis podem ser relatadas pelo Disque 100. As denúncias também podem ser feitas pela internet, por meio de serviços como o Humaniza Redes e o aplicativo Proteja Brasil, disponível em tablets e smartphones.

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos