PRF divulga balanço da Operação Finados em SC

46

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgou, na manhã desta segunda-feira (5), um balanço da Operação Finados 2018, realizada pela instituição entre a 0h da última quinta-feira (1º) e às 23h59min de domingo (4), em todo o país.

Ouça abaixo entrevista concedida à Rádio Marconi:

 

No período, foram registrados nas rodovias federais que cortam o estado um total de 90 acidentes, dos quais resultaram 104 feridos e quatro mortes. Se comparado ao último feriadão de motivação religiosa e com mesma duração, o de Nossa Senhora Aparecida, em outubro deste ano, os números demonstram uma queda tanto no número de acidentes, quanto no de mortos e feridos. De acordo com Adriano Fiamoncini, do núcleo de comunicação social, nas rodovias federais da região sul do estado catarinense não foram registradas mortes.

Uma característica observada pela PRF durante a operação, entretanto, foi o alto percentual de motociclistas entre as vítimas fatais. “Isso mostra, mais uma vez, a fragilidade deste tipo de veículo que, quando se envolve em acidente, o motorista quase sempre fratura algum osso, acaba tendo traumatismo craniano, ou mesmo falecendo, em grande parte dos casos”, disse o agente.

Os óbitos dos motociclistas aconteceram na BR-158, em Cunha Porã (colisão frontal); na BR-282, em Lages (colisão transversal); e em Rancho Queimado (colisão frontal). A quarta vítima, motorista de automóvel, aconteceu na BR-101, no trecho que corta Itapema, em decorrência de uma colisão traseira.

Infrações e detenções

Ainda durante a Operação Finados, foram lavrados em Santa Catarina 2.233 autos de infração, dos quais 88 para motoristas dirigindo sob o efeito de álcool, 396 por ultrapassagem em local proibido e 159 para ocupantes sem cinco de segurança ou crianças sem cadeirinha. Outros 34 motoristas foram flagrados manuseando o telefone celular enquanto dirigiam. Por fim, o balanço da PRF aponta a recuperação de oito veículos roubados e a detenção de 19 pessoas por crimes diversos.

Preocupação

“Rodovias e rua são espaços públicos e precisa ser dividido com outras pessoas. As estradas não são extensões de sua casa. Você precisa respeitar as normas que atingem a todos igualmente. O veículo que está a sua frente não é um rival, alí tem pais de famílias, trabalhadores, estudantes. Rodovia não é pista de corrida”, lembra Fiamoncini.

Colaboração Texto: Alesc