Vinte e um prefeitos das Associações dos Municípios: das regiões Carbonífera, de Laguna e do Extremo Sul Catarinense, estiverem reunidos na tarde desta quinta-feira, 18, no Sisos Hall em Criciúma. Também participaram do encontro empresários, imprensa e a comunidade.

Em pauta a Audiência Pública que serviu para a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), apresentar a proposta para concessão do trecho Sul, da BR-101 com a instalação de quatro praças de pedágios.

A primeira audiência aconteceu nesta quarta-feira, na capital. A opinião já manifestada pelo grupo de prefeitos do extremo sul catarinense, em reunião realizada esta semana, na sede da Amesc, foi mantida durante o encontro. Os prefeitos não concordam com as quatro praças e com os valores cobrados, (R$ 3,97 em cada praça). Outro ponto apontado pelos prefeitos da região é uma extensão nos prazos para que cada município, possa estudar melhor o projeto, principalmente nos trechos próximos das sedes.

Durante o seu pronunciamento em nome da Amesc, o prefeito Mariano Mazzuco ressaltou que os efeitos da audiência sejam prorrogados para o próximo ano. Que duas praças de pedágio e os valores cobrados são demais para a região. Para o futuro sugeriu um sistema de cobrança sem a necessidade das praças, como acontece no Chile. “Precisamos de mais tempo para vermos que tipos de obras que precisam ser feitas na nossa região”, frisou o prefeito de Araranguá.

Pelo projeto as praças seriam entre Paulo Lopes, Tubarão, Araranguá e São João do Sul.