Um elemento da identidade cultural local ligado à imigração italiana e mantido por descendentes no sul de Santa Catarina torna-se objeto de análise no universo enológico. Uma variedade rara que produz vinhos singulares transformou este território em Vales da Uva Goethe, região detentora da primeira e única Indicação Geográfica de Procedência (IP) do setor vitivinicultor do Estado. As fragilidades e potencialidades deste local peculiar atraíram o documentarista e enólogo italiano Mauro Zardetto, da Associazione VenetoBrasile di Conegliano, oriunda da região de produção do autêntico Prosecco DOCG. Desde o dia 21 de julho ele está conhecendo os municípios de Urussanga e Pedras Grandes (Azambuja).

Ele percorreu partes do território, conheceu vinhedos, conversou com produtores de uva e de vinhos artesanais, trocou experiências com proprietários de quatro vinícolas e de estabelecimentos ligados ao turismo, bem como degustou diferentes produtos feitos com a variedade Goethe. Na manhã desta segunda-feira, dia 23, o italiano se reuniu com autoridades municipais, políticos, produtores de uva e vinho, órgãos estaduais e entidades na Estação Experimental da Epagri, em Urussanga. O encontro foi de discussão com a finalidade de buscar o desenvolvimento dos Vales da Uva Goethe.

“Foram dois dias intensos de degustações e muito conhecimento. Tudo muito emocionante e interessante para a amizade e o trabalho que esperamos todos juntos. Eu pude ser tocado pela riqueza e pela demonstração qualitativa. A reunião foi importante para um confronto e troca de experiências. É um percurso longo que começa agora com todos os operadores juntos. De minha parte retorno a Itália com o propósito de levar uma base de informações para uma relação da Scuola Enologica di Conegliano com Urussanga, bem como com a Epagri uma parceria tecnológica e científica. E também com o movimento internacional Slow Food que inseriu a uva Goethe na Arca do Gosto como produto raro e típico a ser protegido”, salienta.

A visita de Zardetto ao sul de Santa Catarina é fruto de uma aproximação de iniciativa da Associazione Trevisani Nel Mondo, em 2014, entre as duas regiões vitivinícolas, e que ganhou ainda mais força com uma explanação feita sobre a uva Goethe para alunos da Scuola Enologica di Conegliano em fevereiro deste ano. Na oportunidade, a secretária da Associação dos Produtores da Uva e do Vinho Goethe (ProGoethe), Patricia Mazon fez uma breve apresentação da história e das vulnerabilidades e dos elementos com potencial da região. A apresentação da uva Goethe, que é originária de um cruzamento com Moscato D’Amburgo, foi muito apreciada pelos estudantes e professores da escola enológica italiana.

Confira na entrevista com Patrícia Mazon:

 

TRATATIVAS

As tratativas para aproximação da Associação ProGoethe, no Brasil, e a Scuola Enologica di Conegliano, na Itália, iniciaram em 2014 envolvendo o Comitato Veneto di Santa Catarina (COMVESC) e Associazione Trevisani Nel Mondo di Urussanga e também de Tubarão junto com as cidades de Valdobbiadene e Conegliano, bem como as seccionais nestes locais da associação cultural Trevisani.

A manutenção desta aproximação ocorreu em 2017 com a entrega de cartas da Prefeitura de Urussanga aos prefeitos de Conegliano e Valdobbiadene por intermédio da Associazione Trevisani. A intenção também foi demonstrada pela Associação dos Produtores da Uva e do Vinho Goethe (ProGoethe), que solicitou uma contribuição da Associazione VenetoBrasile di Conegliano para desenvolver uma projeto concreto de colaboração.

Confira na imagens

 

 

Colaboração Texto e Fotos: Eliana Maccari