Fim de ano, época de festas e de férias e de um grande número de veículos nas rodovias que cortam Santa Catarina. E os motoristas que passam diariamente nas estradas já notaram que tanto as placas de fiscalização quanto os radares fixos estão cobertos por sacos plásticos pretos.

O motivo seria o término do contrato com a empresa responsável pelo funcionamento dos aparelhos, que venceu em novembro e não foi renovado. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – Dnit, a licitação para a contratação da nova empresa está em fase final de homologação. Contudo, ainda não há prazos para o retorno da fiscalização.

Em Santa Catarina, há 197 radares fixos inoperantes em nove rodovias federais, entre elas BR-101, BR-282, BR-280 e BR-470.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal – PRF, a corporação vai continuar realizando operações com 31 radares móveis do Estado, inclusive onde os radares fixos estão inoperantes. Porém, a PRF pede a colaboração dos motoristas, principalmente no que se refere ao respeito ao limite.

Apenas neste mês, a PRF já flagrou 673 motoristas acima da velocidade permitida nas rodovias. Contudo, não é possível perceber um aumento de ocorrências em função do desligamento dos radares.

O problema da desativação de radares, aliás, não ocorre apenas em Santa Catarina, mas em todas as unidades da federação. “Nessa época do ano, as pessoas ficam mais “soltas” e a possibilidade de beber e dirigir também é maior. Nossas estradas também veem o movimento duplicar ou triplicar. O perigo é maior, sem dúvidas”, alerta.

Com informações do Jornal Diário do Sul