É bem provável que o Concurso Público de Urussanga se “arraste” mais um pouco. Isto porque, em entrevista à Rádio Marconi, o prefeito Gustavo Cancellier explicou que pretende modificar algumas regras de ingresso no serviço público Urussanguense.

“O que não abrimos mão é o bom atendimento ao cidadão. Temos a certeza de que o concursado pode, em algum momento, ficar acomodado na função. Lembramos que o quando a pessoa concursada integra o quadro de funcionários da prefeitura, ela passa por um estágio experimental com dois anos de avaliações, porém passado este período a pessoa não poderá mais ser desligada do cargo. Então o que queremos é dar a certeza de que se acaso esta pessoa ficar acomodada no desempenho da sua função, nós poderemos chamá-la e pedir para melhor o seu atendimento, e se ela não melhorar teremos a autonomia de desligá-la do cargo, dando lugar a um outro profissional que queira se dedicar no trabalho”, relata o Prefeito.

De acordo com o Chefe do Executivo um pedido ao Promotor de Justiça do Ministério Público de Urussanga, Guilherme Back Locks, para que algumas das funções desempenhadas na Prefeitura de Urussanga não sejam ocupadas por meio de concurso público, está sendo enviado em outubro. “Nossa proposta visa que estas atividades sejam ocupadas depois de a pessoa participar de um Processo Seletivo. O ingresso do profissional na prefeitura não seria nem por Concurso e nem por Indicação do prefeito. O Processo Seletivo seria realizado nos moldes do concurso, entretanto, seriam contratadas 25 ou 30 pessoas que passariam na seleção, podendo assim trabalhar junto a Prefeitura”, explica o administrador Urussanguense.

A conversa entre o Prefeito e o Promotor de Justiça ocorreu na manhã da última sexta-feira (13). De acordo com as informações, o pedido ao MP deverá ser encaminhado no máximo em dez dias.  Depois de enviado a solicitação, aguarda-se a resposta para dar sequência ao que for liberado pelo Ministério Público, Processo Seletivo ou o Concurso.

Retrospectiva

“Em 2016 o concurso estava programado para abrir 357 vagas. Nós conseguimos na justiça o adiamento, para poder discutir melhor os parâmetros do concurso. Chegamos a fazer um segundo edital para abrir 100 vagas. A empresa vencedora da licitação foi desabilitada porque entendemos que o preço cobrado por ela não refletiria em um concurso com qualidade”, lembra o Prefeito.

Acesse os links e saiba o que aconteceu

Em 06 de setembro de 2017

Em agosto de 2017

Empresa desabilitada

Novo edital em junho de 2017

Em maio

Concurso é anulado

Devolução de valores