O diretor-presidente da Casan, Valter José Gallina, em visita a Criciúma na tarde desta terça-feira, 4, apresentou às autoridades, comunidade e imprensa as melhorias realizadas na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Bairro Santa Luzia. O problema do mau cheiro, que era uma reclamação recorrente da comunidade, foi sanado com a instalação de um moderno sistema de tratamento.

Na solenidade, Gallina agradeceu aos vereadores da cidade que se engajaram para que o forte odor fosse eliminado. “Eles são os legítimos representantes do povo. Esta parceria é muito importante, pois a demanda é muito alta. Juntos, conversamos com alguns moradores para avaliar o que poderia ser feito. O recurso utilizado é um dos mais modernos e hoje podemos dizer aos vereadores que nos contataram que nós cumprimos a nossa missão. Constatamos que não existe mais o mau cheiro graças à tecnologia usada que é uma das melhores do mundo. O esgoto sanitário de Criciúma está sendo bem tratado”, explicou. O mesmo sistema será usado na ETE da Vila Selinger, para atender a região do Bairro Próspera.

O diretor-presidente da Casan ainda ressaltou a alta qualidade do efluente, tudo de acordo com as exigências ambientais. “As pessoas vão frequentar menos os hospitais. O objetivo é levar melhor qualidade de vida”, pontua, acrescentando que, em breve, os bairros São Luiz e Michel, que somam mais de 33 mil moradores, também serão contemplados com o moderno sistema de tratamento. A licitação para a obra deve sair ainda neste ano.

O superintendente regional da Casan, Vilmar Tadeu Bonetti, lembrou que “a tecnologia usada é de ponta, a melhor que se poderia ter investido. Os moradores não precisam mais se preocupar com o mau cheiro graças ao comprometimento da Casan e do Governo do Estado”, comemorou. “O governador Raimundo Colombo e a Casan se preocuparam muito com este problema. Agora, estando aqui, mesmo com este forte vento, percebe-se que tudo foi resolvido”, lembrou o secretário da Agência de Desenvolvimento Regional de Criciúma, João Fabris.

Se no sistema anterior, de Filtros Percoladores, a aeração ocorria de maneira natural, a nova estrutura utiliza um sistema mecanizado com aeração forçada, por meio de sopradores de ar. Este novo sistema proporciona mais aeração, evitando a geração de odores, mais comum em sistemas com pouco oxigênio. A tecnologia usada na ETE Santa Luzia é semelhante à aplicada no tratamento de esgotos da Barra da Lagoa, em Florianópolis. A mudança no sistema de aeração exigiu também alterações estruturais nos tanques existentes, para que estes aumentassem sua capacidade. O investimento feito pela Casan foi de R$ 3,5 milhões na revitalização da unidade, recursos destinados especialmente a alterações do sistema de pós-tratamento aeróbio. A obra que começou em abril do ano passado já se encontrava desde fevereiro em pré-operação.

Colaboração: Gerência de Comunicação da Casan